terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Vem voar comigo em 2011

Oi gentes, blz?
Estou sentindo um misto de excitação, felicidade e melancolia. É assim todo final de ano. Fico excitada com a idéia da novidade, do ano novo, feliz por ter a oportunidade de mais um ano, mais conquistas, mais desafios, e melancolia pensando nas coisas que se passaram nesse ano que termina.
Lembro como comemorei esse início de ano. Como eu me senti feliz ao saber que 2010 começava, com todos os seus desafios. Com todas as suas mudanças. E hoje vejo que a comemoração não foi em vão. Eu realmente tinha o que comemorar, nesse ano que foi realmente feliz.
Esse ano foi marcado por grandes e também pequenas mudanças. Mudei de casa. Mudei de cidade. Mudei de emprego. Mudei de “estado civil”. Mudei alguns hábitos. Mudei de ares. Nossa, como eu mudei. E como eu continuo a mesma. Só um pouco mais famosa, afinal, saí no jornal, com foto e tudo...hehehe
Não consegui fazer a reunião com os amigos aqui do blog de Porto Alegre. Deixo como meta para 2011. Ainda quero reunir todos vocês que me acompanham e me deixam felizes com suas conquistas.
Ah, e além de novos leitores, o blog também terá novos bebês. Sim, a dona cegonha passou aqui pelos seguidores do blog e deixou algumas sementinhas de vida por aí. Ano que vem será o ano de publicação de fotos de bebês lindos e cheios de vida, que eu amo desde o momento em que as queridas leitoras me avisaram sobre a gravidez. Uma delas ainda não posso contar, mas a Laurinha, filha do Felipe e da Tati, eu já posso comemorar por aqui.
Tinha muitos sonhos para 2010. Muitos deles eu realizei. Outros eu deixei pra trás. Alguns eu apenas adiei. E sonhos novos foram criados também.
Existem alguns planos já feitos para 2011, como passar uns dias na praia, tomar Avonex, fazer minha dissertação, mudar o mundo...
Assim como no final de 2009, que eu tinha certeza de que 2010 seria um ótimo ano, tenho novamente a certeza de que 2011 será um ano maravilhoso.
Mas antes que o ano acabe, quero agradecer a todos vocês, queridos amigos por estarem comigo durante esse ano. Agradecer a minha mãe e minha irmã, que me acompanharam nessa mudança de cidade, de casa e de vida. Agradecer minha prima-irmã-amiga-cúmplice Raquel, minha tia-mãe Solange, meu tio-pai Caco e meu primo-irmão Vinícius, por terem me recebido aqui com tanto amor. E aos meus avós, que mesmo com seus quase 80 anos de vida, voltaram a viajar para nos visitar aqui em Porto Alegre. Nossa, amo tanto essa minha família que é até difícil de escrever sem escorrer lágrimas dos olhos. Sem vocês, meu ano não teria sido tão feliz. Meus companheiros de todas as horas (olha que gente linda aí na foto do Natal).

Também quero agradecer aos amigos. Os velhos e os novos. Aos meus amigos de Passo Fundo, que mesmo de longe continuam a me apoiar. E aos novos amigos, feitos aqui em Porto Alegre. Amigos e colegas do mestrado, do Dias da Cruz, da Cadica que me ajudaram em tantos momentos nesse ano e que, certamente, estarão comigo nos próximos anos da minha vida. Não vou citar nomes, porque certamente esquecerei de alguém. Mas de qualquer forma, obrigado.
Hoje, mais do que nunca, vejo que a vida é feita de escolhas. Às vezes fazemos escolhas com certezas absolutas, outras vezes, as escolhas são feitas em meio à dúvidas. Mas a vida é feita de escolhas. Escolhemos todos os dias se seremos felizes ou não, se vamos dar um sorriso ou não, se vamos sofrer com as tristezas ou aprender com elas.
Que 2011 chegue logo, com todas as suas mudanças e reviravoltas. Como será 2011? Maravilhoso. Não importa se terei surtos ou não, se realizarei meus sonhos ou não, se o mundo vai virar de ponta cabeça ou não. Eu acredito que será um ano fantástico e farei de tudo para que realmente seja. Afinal, depende de mim, e apenas de mim ser mais feliz. Frustrações, tristezas e decepções existirão,provavelmente. Mas depende de mim passar por elas com resiliência ou como vítima. Não culpe os outros pelas suas frustrações, decepções ou tristezas. Como eu disse no final de 2009, em 2011 seja o ator principal da sua vida
2011 será um ótimo ano para se viver. Viver com intensidade, vontade, verdade. Viver e levar vida por onde se for. Afinal, ninguém vive sozinho. E é por isso que eu convido vocês a entrar nessa aventura que será 2011 junto comigo. Como diz num vídeo que eu adoro (e está no final desse post), somos anjos de uma só asa, e somente abraçados podemos voar. Em 2011 estarei aqui, de braços abertos para abraçar quem quiser voar comigo.
Antes de acabar o ano ainda vou fazer mais uma mudança, no cabelo. Mas isso eu mostro pra vocês no ano que vem. Esse é o último post de 2010, e eu desejo um ótimo início de ano e boas escolhas pra você!  
Boas festas meus amores!
E que venha 2011!
Bjs

Caminhando e cantando...

Oi amigos, tudo bem?
Estou me sentindo alguns quilos mais gorda depois da ceia de natal, almoço de natal, lanche de natal, janta de natal e churrasco no domingo pós-natal. Mas acho que é só uma leve impressão, afinal, as roupas servem muito bem. E daí que eu só uso vestidinhos largos no verão? Hehehe
Nem ia escrever nada hoje. Ia deixar pra escrever apenas um feliz ano novo nos próximos dias. Mas lembrei dum fato que preciso contar antes que o ano acabe.
Faz algum tempo que eu tenho feito caminhadas no parque da Redenção, que fica há 4 quadras aqui da minha casa. Quando o sol começa a baixar eu coloco minha bermuda, camiseta e tênis, junto os fones de ouvido e saio a caminhar. Já consigo caminhar por uma hora, com um intervalo de 5 minutos na metade do tempo. Pra quem não conseguia chegar à esquina de casa, é uma evolução e tanto.
Além de me sentir muito bem caminhando e utilizar esse tempo para colocar meus pensamentos em ordem, percebi outras mudanças bem visíveis. Há alguns dias, enquanto eu me depilava no banho (é óbvio que eu não me depilo com cera... de dor, basta a EM), senti que tinha algo estranho na minha panturrilha (a famosa batata da perna): ela estava durinha. Primeiro parei e pensei o que seria aquilo. Quando entendi que aquilo ali durinho era meu músculo, fiquei rindo de felicidade.
É, você aí pode ir rindo. Mas fazia anos, muitos anos que eu não tinha a musculatura durinha assim, definida. Como vocês já sabem, quem tem EM, tem a musculatura fraca, e deixar a musculatura definida é um negócio penoso. Deu pra entender porque fiquei feliz em ver meu musculinho?
Não pretendo fazer musculação ou abdominal. Até porque, já tenho o abdômen definido: defini que ele está bem assim, e assim ele vai ficar. Mas ver que meu corpo tá reagindo bem a uma atividade física, é algo que realmente me deixa alegre.
Vou entrar 2011 não apenas com um sorriso no rosto, mas com a panturrilha durinha e com a determinação de continuar caminhando com frequência. Faz bem pro meu corpo e pra minha cabeça. Se você ver uma pessoa caminhando, com fones de ouvido e cantando na Redenção, pode ser eu... às vezes esqueço que existem outras pessoas em volta e canto mesmo. Mal pra caramba, mas canto.
Até mais!
Bjs

P.S.: para os aficcionados em Friends (como eu), eu caminho como a Phoebe faz corridas, sem compasso, sem ritmo, sem se importar com quem está olhando, mas feliz da vida... hehehe

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Feliz Natal!!!

Oi queridos, tudo bem com vocês?
Nesses últimos dias entrei naquele clima meio melancólico do fim de ano.
É sempre assim, nos últimos dias do ano me recolho nos meus pensamentos pra fazer um balanço geral.
Mas antes de acabar o ano, temos ainda o Natal.
Ah, o Natal.
Adoooro o Natal. Dia de festa em família. De escutar as histórias de família. De comer muito, em família. A maior tradição do Natal aqui em casa é passar em família. Podemos fazer qualquer coisa, mas tem que ser todos juntos: irmãos, filhos, primos e avós. Adooooro!
Antes do Natal costumo pensar o que eu fiz de bom esse ano. Como eu comemoro o nascimento de Jesus, o amor e a união no Natal, penso em que presentes eu dei à Jesus durante o ano. E qual é o melhor presente que podemos dar à Jesus? O amor, o amor em seu estado mais puro.
Tá, eu não esqueço também do Papai Noel. O que? Você não acredita no bom velhinho? Problema seu, não sabe o que tá perdendo.
Lógico que eu não acredito que exista um senhor barbudo que viaja o mundo todo em uma noite dando brinquedos às crianças. Mas, para mim, Papai Noel é a representação do carinho que devíamos ter com todos, todos os dias do ano. Então, se você acredita que todos nós podemos amar uns aos outros e tem esperança e sonhos, no fundo no fundo, você também acredita em Papai Noel.
E o que mais tem no Natal além do aniversário de Jesus, do Papai Noel e de muita comida (aqui em casa chega a ser um exagero de tanta comida gostosa)? Presentes.
Eu gostaria de poder dar um presente pra cada um de vocês que passam aqui pelo blog e me presenteiam com seu carinho em forma de palavras. Infelizmente ainda não posso fazer isso.
Eu também gostaria muito de poder dizer aqui: acharam a cura pra EM!
Um dia acho que vou escrever isso. Mas ainda não é o momento. Mas que seria um presentão, seria.
Eu gostaria de ter o poder de realizar os sonhos de cada um de vocês. Como uma fada madrinha. Infelizmente também não tenho esse poder.
Por enquanto eu posso dar somente as minhas palavras, meu carinho e minhas orações de presente. Por enquanto posso apenas espalhar a esperança de que um dia teremos a cura para todas as doenças do nosso corpo. E posso dizer a todos para continuarem sonhando sempre. Sonhando muito. E que tentem ao máximo realizar esses sonhos.
Nos próximos dias vou "sumir" aqui da net. Vou aproveitar muito o tempo que terei com minha família reunida. E é por isso que hoje eu desejo a todos um Feliz Natal. E como o Natal é o período de renovação, de vida, de comemoração, desejo que todos comemorem suas vidas, que é um presentão que temos. Não importa se temos doenças, deficiências, etc. O que importa é que estamos vivos e temos a oportunidade todos os dias de sermos felizes. Então, comemoremos essa oportunidade e sejamos felizes.
Muitas felicidades, alegrias, paz, amor e sonhos à todos vocês!
Ah, adoro essa propaganda de Natal que está no link abaixo. Encho os olhos d'água todas as vezes que vejo. Mas quando eu digo todas, é todas mesmo. Se vejo 3 vezes no mesmo dia, me emociono as 3 vezes. E não acho isso vergonhoso, acho lindo a capacidade que temos de nos emocionar. Então, aproveitem:

Feliz Natal!
Até mais
Bjs

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O que você tem na sua mão?

" A doação de tempo pode ser mais satisfatória que a de dinheiro. E embora não disponhamos da mesma quantia em dinheiro, todos contamos com 24 horas diárias". - Bill Clinton
Li essa frase ontem na Época Negócios (sim, eu leio coisa séria também) e achei que fechou com o que eu queria dizer hoje. O Sr. Clinton tem toda razão.
Em uma época que todos reclamam que não tem tempo pra nada, doar seu tempo é algo tão ou mais valioso que dinheiro. Acha que não? Pensem bem quanto custa pra uma pessoa pobre pagar um curso técnico de costura, de padaria, de qualquer coisa. Se você, que sabe exercer essa tarefa doar seu tempo pra passar o conhecimento adiante, vai doar muito mais do que um pedaço de papel que se troca no mercado por um pedaço de pão. Vai estar doando dignidade e esperança de uma vida melhor.
De que adianta ter dinheiro quando o que se precisa é um carinho?
Pensando nesse assunto, lembrei do email mais triste que já recebi de um leitor do blog, que dizia assim: "a EM não me incomoda tanto quanto a solidão. Se eu tivesse tratado melhor os meus filhos, hoje eu teria a companhia deles. Mas passei a vida toda só pagando as contas deles e esquecendo de ensinar eles a dar carinho."
Esse caso ilustra bem o caso de que ter dinheiro na mão não é tão valioso quanto ter uma outra mão para segurar. O dinheiro vai e volta. As mãos que nos seguram quando precisamos permanecem sempre conosco.
E como que a gente pode ensinar os nossos pequenos a serem pessoas melhores, que tenham tempo para fazer o bem? Dando o exemplo. Como na época de Natal pensamos tanto nas crianças e no mundo que queremos deixar para elas, devemos também pensar em que crianças queremos deixar para o mundo.
Aí você pode me dizer: aaah Bruna, mas eu tenho uma doença, não posso ajudar.
E eu te digo: ninguém é tão pobre que não tenha nada pra dar aos outros. Como disse Bill Clinton, todos dispomos de 24 horas diárias, se dermos uma hora durante a semana fazendo alguma coisa pelos outros, já estaremos fazendo um mundo melhor.
E vou contar um segredo pra vocês: quando a gente se doa, acaba recebendo muito mais do que aquele que seria o "beneficiado" de nossa doação.
Eu vivo dizendo aqui que não podemos nos fazer de vítima e se colocar no papel de coitadinho. E que, quanto menos coisas fazemos, menos temos vontade de fazer, e isso também agrava a doença. Você tem EM e não pode trabalhar em um emprego regular porque as limitações da doença não te permite? Procure alguma coisa que você possa fazer num horário mais agradável pra você. Duvido, mas duvideodó que você não ache nada pra fazer que ajude o mundo a melhorar.
Assim como nós temos doenças como a EM, a humanidade sofre de doenças como o egoísmo, o orgulho exacerbado, a ganância. E adivinha quem é que pode fazer alguma coisa pra humanidade ser mais saudável? Isso mesmo, eu e você. Cada um fazendo um pouquinho.
Há alguns dias, em conversa de bar, um cara me perguntou pra que eu estudava tanto. Eu respondi que é porque eu pretendo mudar o mundo.
Sim, eu sei que é um projeto ambicioso. Mas se eu conseguir mostrar pra uma pessoa que seja, a maravilha que é viver, segundo a minha visão, já estarei satisfeita, porque é de grão em grão que a galinha fica gorda...hehe
Ah, e sem esquecer que, às vezes, temos dentro de nossas casas pessoas que precisam de um pouquinho do nosso tempo. Começar escutando a própria família já é um bom passo para entender melhor os problemas dos outros e buscar soluções melhores do que as que já existem.
Sempre que eu digo que não tenho tempo, minha mãe me diz que tempo é uma questão de preferência. Essa resposta me incomodava um pouco até um tempo atrás. Mas hoje eu vejo que é verdade. Sejamos sinceros, a gente organiza o nosso tempo da forma que melhor nos convém. E, se não acharmos importante reservar um pouco do nosso tempo pra tentar ajudar os nossos semelhantes, realmente não "teremos" esse tempo, porque preferimos não o ter.
Dar dinheiro qualquer um pode dar. E sim, é necessário também. E muito. Mas dar tempo, dar a mão pra alguém se segurar, é algo que só quem tem amor dentro de si consegue fazer.
Até mais!
Bjs

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Não ter...

Oi queridos, tudo bem?
Mais uma segunda-feira. Mas não uma segunda-feira como outra qualquer. É segunda-feira que abre a semana do Natal.
No Natal costumamos pedir muitas coisas: presentes, amor, união, saúde, a paz mundial... Mas ainda acho que agradecemos pouco.
Tudo bem, ter EM é ruim, ter alguma deficiência também é péssimo. Mas vocês já imaginaram o que é não ter? Quando eu digo não ter é não ter nada mesmo: não ter casa, não ter família, não ter alimento...
No último sábado à noite fui ao jantar de natal do albergue do Instituto Espírita Dias da Cruz (que é onde eu evangelizo). Não fui só filar a bóia, é claro. Fui com o grupo da evangelização para cantarmos a música que é o "hino" da nossa casa espírita. Enquanto estava lá na frente no palco com meus colegas, olhei nas mesas o rosto de cada um daqueles homens, mulheres e crianças que estavam ali. Naquela hora estavam todos de banho tomado, roupas limpas e nos olhavam cantar como se aquela canção fosse (e é) uma oração.
Juro gente, me doeu na hora que me dei por conta de que aquelas pessoas teriam naquele sábado uma roupa limpa pra vestir, uma comida quente pra comer e uma cama pra dormir. Mas amanhã, e depois e depois não era uma certeza.
Todos nós temos a grande felicidade de ter uma casa pra voltar, comida a hora que quiser, o conforto de um lar, a companhia de amigos e familiares. E aquelas pessoas? As crianças tem suas mães que as acompanham. Pobres mães que não têm como prover o básico pros seus filhos. A grande maioria vive a lei do cada um por si.
Tudo bem, eu sei que cada um passa pela provação que precisa. Que muitos estão ali porque entraram no caminho das drogas. Mas ainda assim, são seres humanos, iguais a eu e a você.
E sabe do que mais? Eles têm as mesmas doenças que nós, muitos lá eram pessoas com deficiências como muitos que "frequentam" aqui o blog. Ser cadeirante, muletante, surdo, mudo, cego já é difícil nesse mundo, mesmo quando temos condições de nos tratar e procurar ajuda. Ter uma deficiência e ainda por cima não ter casa, comida e família, acredito que seja mais difícil ainda.
Por isso hoje eu agradeço por tudo o que tenho. Até pela EM. Que apesar de ser mega ruim de ter, me ensinou a ver a vida de uma forma diferente.
Ah, quem quiser colaborar com as atividades do Dias da Cruz de Porto Alegre, que mantém o albergue com capacidade para 100 pessoas por dia, sem fechar nenhum dia, é só entrar aqui no site: http://www.ie-diasdacruz.org.br
Aceitamos doações de materiais, dinheiro e tempo. Sim, de tempo. Trabalho voluntário ajuda quem faz e quem recebe. Mas isso é assunto pra outro post.
Até mais!
Bjs

sábado, 18 de dezembro de 2010

Se for dirigir...

Oi amigos, tudo blz?
Sim, ando escrevendo pouco. Graças a tudo, estou super ocupada embrulhando presentes, procurando lembrancinhas, tomando choppinhos com os amigos pra comemorar o fim de ano, etc.
Aí, o tempo pra ficar sentada na frente do PC fica parecendo cansativo. Mas penso no blog todos os dias, e vou anotando as idéias de textos em papéizinhos pra escrever assim que o PC me parecer mais atraente.
Bom, entretanto, todavia, contudo, não posso deixar de pedir a todos que pooooor favor, se cuidem nesse fim de ano. Todos os dias abro o jornal e leio sobre jovens que perderam a vida após festas de despedidas de ano, por conta da mistura de álcool e direção.
E vocês sabiam que, a grande maioria das pessoas com deficiência física no mundo, tiveram suas deficiências adquiridas entre os 18 e 35 anos, por conta de acidentes de trânsito? É verdade.
Então, vamos cuidar do nosso lindo corpinho. Não digo pra não beberem, até porque, eu bebo. Mas peguem um táxi. E vamos tentar beber menos, porque sofrer um acidente é horrível, mas fazer fiasco bêbado também não é legal.
Pensando nisso, deixo pra vocês o vídeo que meu amigo Jeferson me mandou por email, e que, sim, é chocante, mas é a realidade. Nesse natal e fim de ano quero apenas comemorar a vida e quero que você comemorem comigo, conscientes e com saúde!
Lembrem: se for dirigir, não beba... e se for beber, me convide! ;-)
Aproveitem o vídeo:

Até mais!
Bjs

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O poder das palavras

Oi gentes, blz?
Tá, chutei o pau da barraca. Passei muitos dias sem dar sinal de vida por aqui. Mas eu sei que vocês entendem as férias que eu dei pra minha cabeça. Tão bom praticar o nadismo...hehehe.
Na verdade não nadismo nadismo total, afinal, natal tá chegando. Aqui em casa já está tudo decorado, bonitinho, com pinheirinho, guirlanda e presépio. Sim, eu adoro o natal, a casa cheia de enfeites e esse espírito de ajuda ao próximo.
O que eu detesto nessa época do ano é a correria doida das pessoas por presentes, presentes e mais presentes. Tá, ganhar presente é ótimo, mas não é o essencial.
Como sou cristã, comemoro o nascimento de Jesus na data do natal. E por isso, o menos importante é o presente. O mais importante é a união da família e a troca de sentimentos e pensamentos positivos.
E como eu tenho isso de sobra, e sei que vocês também, faço o convite para participar da campanha  Doe Palavras, divulgada nos comentários do último post.
Você não tem dinheiro pra doar pra nenhuma instituição? Não tem tempo de sair comprar um brinquedo pra uma criança? Não tem disposição pra visitar pessoas em hospitais e orfanatos? Não tem problema, aposto que você tem uma ou duas palavras bonitas pra dizer a quem está precisando delas. As mensagens deixadas no site: www.doepalavras.com.br são passadas a pacientes de hospitais (Instituo Mario Penna, que atende pacientes com câncer). Eu achei a idéia muuuito boa.
Já passei datas festivas em hospital e é um saco. Todo mundo festejando em casa e você lá, de pijama deitado na cama. Vamos colaborar com nossos irmãos que não vão poder estar em seus lares nesse natal. Vamos enchê-los de amor, paz e esperança! Afinal, quantas vezes uma palavrinha não foi o suficiente pra nos tirar do sufoco? Aquele "parabéns", aquele "muito obrigado", aquele "vai lá, tu consegue", aquele "te amo", aquele "tudo vai dar certo", aquele "não se preocupa, tô do teu lado"...
Não precisa ser um grande poeta ou exímio escritor pra dizer palavras de alegria e amor, basta ter um coração capaz de amar, com bondade e vontade de ajudar.

Doe Palavras from RC Comunicação on Vimeo.

Até mais!
Bjs

P.S.: quem vai comprar presente pra esclerosado, dá uma olhada aqui no post sobre o que NÃO comprar pra quem tem EM:http://esclerosemultiplaeeu.blogspot.com/2009/12/escolhendo-o-presente-do-esclerosado.html?showComment=1261068741554

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Comemorando

Oi queridos, tudo bem?
Bom, vou começar dizendo que estou ótima! Sim, vou me exibir e exibir toda a minha felicidade...hehehe
Ontem foi meu último dia de aula nesse primeiro ano de mestrado. E foi fechado com chave de ouro. Meu muito obrigado a todos os colegas que escutaram meu projeto durante o ano todo e contribuíram para que ontem ele só ganhasse elogios. Fico orgulhosa da minha filhota (sim, a dissertação já é um ente querido, e como sou eu que faço, é como uma filha...hehehe).
Por conta disso, vou falar mais uma vez da importância de não desistirmos daquilo que queremos pras nossas vidas.
Há alguns dias fiquei vendo Sessão da Tarde, um filminho que eu adoro, Duas Vidas, no qual o personagem, depois de adulto, se encontra com ele mesmo aos 8 anos de idade. Lindinha a história. Mas fiquei desolada por alguns minutos. Não conseguia lembrar o que eu queria ser quando eu tinha 8 anos.
Me lembro duma vez uma professora me perguntar o que eu queria ser quando crescesse, e lembro que respondi que eu ia ser eu oras, não ia mudar só porque cresci. E sabe que eu não poderia ter mais razão na minha resposta? Eu continuo sendo aquela bugrinha fofinha, teimosa, que acha o mundo lindo e que acredita nas pessoas.
É, ao contrário das crianças de hoje em dia, não me preocupava com que profissão seguiria. Comentando sobre isso com minha mãe, ela disse o seguinte: filha, é que tu poderia ser o que tu quisesse!
Viram daonde saiu todo esse pensamento positivo sobre a vida? De mamãe. Desde sempre ela me mostrou que eu podia ser o que eu quisesse, bastava eu querer e trabalhar pra isso.
Decidi que profissão seguiria 3 dias antes da inscrição no vestibular. Não poderia ter feito escolha melhor.
Há dois anos decidi que seria pesquisadora, faria mestrado, doutorado e tudo mais. Primeiro porque sou curiosa demais pra esperar que outros achem as respostas pras perguntas que eu tenho. E segundo, porque acho que tenho capacidade de passar esse conhecimento adiante.
Pois não é que hoje estou aqui, contando sobre o meu primeiro ano de mestrado? Coisa que há um ano atrás era sonho, hoje é realidade. Como a vida da gente é fantástica!
Se hoje eu encontrasse aquela Bruninha de 8 anos de idade, certamente diria pra não se preocupar. Diria que muita coisa ia acontecer até seus 24 anos (é até onde eu sei né). Não, não falaria sobre a EM. Diria apenas que haveria alguns obstáculos a passar, mas ia dar tudo super certo, porque ela poderia ser o que quisesse ser. Diria que ela seria muito feliz.
Pensando bem, provavelmente já me encontrei comigo adulta durante a minha infância. Afinal, nunca me preocupei seriamente com nada. E tenho dentro de mim a certeza de que tudo vai dar certo.
Até mais!
Bjs

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Resiliência amigos...resiliência

Oi queridos, tudo bem com todos?
Eu acho que deveria ser um pouco mais paciente, mas não tenho muita paciência não. E quer me ver perder a paciência, é pedir que eu tenha paciência. Paciência e calma, duas coisas que eu até tenho, mas não são qualidade que se destacam na minha pessoa.
Paciência, segundo o dicionário é  a “ qualidade de quem sabe esperar”. Ou  “virtude que consiste em suportar dores, infortúnios,  com resignação”. Hmmm, e o que é resignação? Segundo o mesmo dicionário é ter paciência com os sofrimentos. Traduzindo, ter paciência e resignação é saber esperar. Esperar que as coisas passem. Esperar uma solução. Esperar não sei o que. Não sei esperar. Não sei ficar sentada esperando que as coisas funcionem. Paciência pra mim é um jogo de cartas de baralho.
Aí fiquei pensando: sou impaciente pra cara... mas eu passo bem por mudanças, sofrimentos, dores, decepções, etc.  Aí descobri o nome dado a isso: resiliência amigos, resiliência.
Vou pedir licença pro Ctrl+C, Ctrl+V, e colocar aqui um conceito que achei simples e bem elucidativo sobre o termo: a resiliência é um conceito da física, utilizado primeiramente pela engenharia que se refere a capacidade de um material sofrer tensão e recuperar seu estado normal, quando suspenso o "estado de risco". No campo das relações humanas, é compreendido como um processo que excede a simples superação de experiências, já que permite ao indivíduo sair fortalecido por elas, superar, o que necessariamente promoveria a saúde mental. O termo Resiliência, vem sendo utilizado como a capacidade humana para enfrentar, vencer e ser fortalecido ou transformado por experiências de adversidade. Tem sido utilizado em psicologia como a capacidade humana de enfrentar adversidades sucessivas ou acumuladas, com o mínimo de disfuncionalidade para o desenvolvimento, agindo com equilíbrio no pensar e no agir. A resiliência pode ser pensada como capacidade de adaptação ou faculdade de recuperação. Uma atitude resiliente significa ter uma conduta positiva apesar das adversidades, ou seja, soma-se à resiliência a capacidade de construção positiva, superação, re-significação dos problemas, flexibilidade cognitiva.
Então, a partir de agora desejo a todos não que sejam pacientes, nem resignados, mas resilientes meus amigos, resilientes. Claro, paciência e resignação são importantes em algumas situações, mas resiliência é importante sempre.
Tomou um pé na bunda? Descobriu que tem EM? Descobriu que além de EM tem outras perebas? Descobriu que vai ter que tomar injeções todos os dias ou 3 vezes por semana, ou uma vez por semana? Descobriu que não tem como fugir das situações que você não gosta? RESILIÊNCIA!!!!
É da resiliência que nasce meu otimismo, minha forma positiva de ver a vida. 
The show must go on...
Bom início de semana a todos!
Até mais!
Bjs

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Muitas mulheres...

Oi queridos, tudo bem?
Estava eu aqui, preocupada com a nova novela do Avonex (sim, vou ficar imaginando como vai ser até o dia em que o dito cujo do remédio chegar), quando peguei o jornal e descobri que o IBGE e seu Censo só servem pra tirar as esperanças das pessoas...hehehehe
Brincadeirinha! Mas ter 50% a mais de mulheres do que de homens no meu estado, é algo broxante. Pensem bem, em Porto Alegre existem 755.917 mulheres para minguados 654.022 guris. Descontando os gays, menores de idade e os problemáticos, sobram poucos. Já havia chegado a essa conclusão há alguns dias, quando saiu o resultado da pesquisa. Hoje, lendo a coluna da Claudia Tajes na Zero, só confirmei.
Dizer que tem mais mulher que homem em Porto Alegre fica óbvio quando saímos nas ruas. Reproduzindo um parágrafo da coluna: "Com todo respeito aos pesquisadores do Censo, isso a gente já sabia. Basta ir a qualquer bar, cinema ou missa que a superioridade numérica feminina se mostrará em todo o seu encanto. Às vezes, amigos que vêm de outros lugares pedem para voltar a Porto Alegre depois de falecidos. A cidade seria ainda melhor que o paraíso, com 20 mesas lotadas de loiras, ruivas, morenas e negras na mesma pizzaria".
Não, isso não é um texto de uma mulher desesperada. Mas, conversando com amigas, todas bonitas, inteligentes, bem resolvidas, nos perguntamos onde estão os homens prontos para serem companheiros nessa cidade? Bom, pelo visto, a quantidade em número já é pequena, descontando os gays, os que não tem as qualidades específicas que cada uma busca e mais alguns itens, sobram poucos mesmo gurias.
Tudo bem que homem não é tudo na vida, mas é uma ótima parte. Acho que os meninos pensam a mesma coisa sobre as mulheres.
Indo a um ponto que nos interessa, o que me deixa feliz, é que, diferentemente de uns 10 anos atrás, percebo que os namorados e namoradas aceitam melhor as deficiências de seus amados. Lembro que há pelo menos 5 anos atrás as pessoas tinham medo de contar que tinham EM aos seus companheiros. Hoje em dia, a maioria já sabe da EM antes mesmo de começar o relacionamento, o que eu acho justo. A gente precisa ter ao nosso lado alguém que no mínimo entenda o que temos e pelo que passamos.
Bom, o IBGE nos deu um banho de água fria, mas tudo bem, tá tão quente que água fria não faz mal. Aliás, água fria é até bom nessas situações...hehehe
No texto da Cláudia, ela sugere às meninas: "para quem é do tipo que corre atrás dos seus objetivos, a rodoviária é logo ali", se referindo às cidades que tem mais homens que mulheres.
Eu sugiro o contrário: meninos, Porto Alegre é demais e super hospitaleira! Hehehehe
Até mais!
Bjs

P.S.: esse é mais um Censo sem sabermos quantas pessoas com deficiência temos no país. Uma vergonha!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Um solzinho

Oi queridos, tudo bem?
Dei uma sumida né? Acho que nunca pensei tanto na EM quanto nos últimos dias, por causa da medicação. E também acho que nunca recebi tantas mensagens de apoio. Muito obrigado a todos. Mas muito obrigado mesmo, do fundo do coração. Vocês não imaginam o quão importantes são na minha vida, e o quanto as dicas e palavras vão me ajudar nessa nova etapa.
Bom, mas ainda sobre a consulta que tive na semana passada, quero falar da vitamina D. Sim, de novo a vitamina D. Já falei dela por aqui. Não leu? Veja aqui: http://esclerosemultiplaeeu.blogspot.com/2009/08/lindos-e-vitaminados.html
Resumindo, é importante ter o nível de vitamina D equilibrado pra ajudar o sistema auto-imune. A minha última dosagem de vitamina D deu um pouco abaixo do considerado bom. Então, estou tomando 6 gotinhas de vitamina D por dia pra normalizar.
E claro, tomando mais sol. Nós que moramos em um país tropical, devemos aproveitar esse remédio natural que deus nos deu. Na Europa eles tem a desculpa de não ter sol por muitas horas no dia. Aqui não. Temos sol pra dar e vender. Só não vão torrar no sol que nem umas perereca né!
Ainda hoje, um amigo leitor aqui do blog me perguntou o que eu achava do tratamento pra curar a esclerose com vitaminas. Então, aqui vai o que eu penso: ter um corpo em equilíbrio é bom pra quem tem e pra quem não tem EM também. Fazer dosagem de vitaminas é importante pra não faltar nada no nosso corpinho. E é lógico que, um corpo em equilíbrio será mais saudável do que um carente de algum nutriente.
Mas aí, dizer que vitaminas curam uma doença auto-imune, acho demais. Não podemos esquecer que nossa doença é uma doença do sistema nervoso central e, infelizmente, as vitaminas não tem ainda o poder de alterar esse nosso sistema.
Gostaria de lembrar que, não é porque estamos nos sentindo bem que não temos a EM. Eu, por exemplo, estou super bem, mesmo sem vitaminas ou imunomoduladores. Mas, como a gente sabe, a EM é danada e vai atuando quietinha, comendo pelas bordas. Há que ter cuidado.
Sei de muita gente que discorda do meu pensamento. E respeito isso. Por isso, gostaria que respeitassem também a minha posição, que é também a posição da minha médica.  
Até mais!
Bjs

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Estado de suspensão...

Oi queridos, tudo bem?
Eu não sei exatamente como me sentir hoje. Ontem à tarde fui na minha neurologista. Tive uma ótima conversa com ela. Fiquei sabendo que a minha ressonância é tão "linda" e tem um resultado tão bom que eu devia pendurar na parede. Isso é bom. Isso é ótimo, aliás.
Como vocês sabem, não estou tomando nenhum imunomodulador. Já contei aqui minhas experiências ruins com o Rebif e o Copaxone. Aqueles que são a salvação de muitos, foram horríveis pra mim. O único remédio dessa família aí que eu não havia experimentado era o Avonex (velho conhecido de muitos de vocês né?).
Para aqueles que tem a fala de educação de me mandar emails me xingando por eu não tomar nada, sempre respondo que eu confio no tratamento médico. E meu antigo médico achava que estava OK assim.
Eu tinha um pouco de medo de ficar sem nada. Quer dizer, continuo tendo.
Pois bem, ontem na consulta, a Dra. Maria Cecilia me mostrou nos exames diversas coisas que ninguém nunca havia me explicado. E me contou algo que eu já desconfiava, que a EM é danada e vai "comendo pelos cantos". Ou seja, pode não ter lesão nova, eu posso estar muito bem, a EM pode estar quietinha. Mas ela está ali. E essa história de ir comendo pelos cantos, pode fazer com que as perdas sejam sutis, quase imperceptíveis. E, de repente, aquilo que você conseguia fazer, pode não conseguir mais.
Eu desconfiava que isso acontecia. Mas como não sou da área médica, não podia ter certeza. Até porque, olhando meu exame, eu só consigo constatar que eu tenho um cérebro. Ponto.
Ela me perguntou: topas o Avonex?
E eu disse que topo!
Confesso que enquanto ela falava do exame, da EM e talz, meu chão ia sumindo aos poucos. Fiquei em estado de suspensão por uns instantes, sabendo o que viria a seguir. Quando ela perguntou do Avonex, sabia que esse era um novo chão se formando embaixo dos meus pés. E como todo solo novo, a gente vai pisando devagarinho, até conhecer o terreno.
Foi a primeira consulta com neurologista que eu vou sozinha. Quem me conhece sabe que eu fico uma pilha antes de ir ao médico. Mas tava na hora de eu virar gente grande pra isso também. Da última vez que tomei interferon, a escolha era dos meus pais (fez tempo hein...). Me vi tendo que decidir algo muito importante. E quem teria que decidir era euzinha mesmo.
É queridos, a vida é feita de escolhas. Cada vez mais me convenço disso.
E daí se escolhermos errado né? Tudo bem que existem as consequências. Mas precisamos decidir algumas coisas numa certa hora da vida. E se a escolha não for a melhor, ou mais certa, paciência. No mínimo a gente aprende alguma coisa.
Se não der certo, bom, aí voltamos ao que faço hoje. Mas eu espero muito que dê certo, afinal, dos remédios que estão no mercado hoje, é minha última saída. Fora isso, só as próximas gerações de medicação (que eu espero que sejam via oral).
Já avisei mamãe e a Raquel: vocês vão ter que aprender a dar injeção! E quem mais quiser ajudar nessa lida, pode fazer o mini-curso pra me aplicar injeção. Ajuda nunca é demais...hehehe
Me auto-aplicar é quase inimaginável. Não impossível, mas no mínimo muito difícil.
Vou entrar com o processo de pedido da medicação essa semana. A Dra. disse que tem demorado um pouco pra vir. E com troca de governo, a gente sabe que acaba sendo mais difícil às vezes.
Me desejem sorte. Pra conseguir o remédio, pra que ele venha logo e pra que dê certo.
Aos usuários de Avonex, já sabem né, vou pentelhar vocês um monte agora. E quem tiver dicas sobre o remédio, por favor, me envie.
Sobre como me sinto. Ainda em estado de suspensão. Essa decisão está tomada. Mas enquanto a coisa não acontecer de verdade, fico assim, meio apreensiva, meio esperançosa. E existem outras incógnitas na minha vida que precisam ser resolvidas para que e fique tranquila de verdade. Mas, como nem tudo na nossa vida depende só da gente, aguardo paciente.
E pra ajudar, hoje não tem sol nem dentro, nem fora de mim... tá um dia ciiiiiiinza.
Nos próximos dias conto as outras coisas importantes da consulta.
Até mais!
Bjs

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Bem vinda Laura!

Oi meu povo, fiquei tão feliz com a novidade que tenho que contar: a Laura vem aí!
Tati e Felipe, os grávidos aqui do blog confirmaram que será uma menina. E será muito bem vinda!
Parabéns queridos! Felicidades!

aVACAlhação

Oi gentes, blz?
Nesse domingo fui ver o rebanho da Cow Parade reunido no Shopping Bourbon Country. Achei até a vaca dos esclerosados, dá uma olhada:
Vaca Nadista: "Enquanto você anda apressado, existe uma vaca praticando nadismo numa boa".

Quando a fadiga bate, o negócio é praticar nadismo gurizada.
Gostei de um monte de vaquinhas, e tirei foto com um monte delas também. Mas aqui vai algumas das que ficaram mais interessantes:
Será que essa vaquinha dá Coca-Cola? Se der eu compro no leilão!

Essa aí é a vaquinha que roubaram e devolveram... bem que tentamos levar ela depois que anoiteceu... não deu.

Vaca aérea... para aqueles que, como eu, ainda olham para o céu quando passa um avião.

Hulkow! Olha a força das mininas...

Te mete vaca colorada...te mete...

Até mais! Bjs


segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Tratamento na justiça

Oi meu povo, blz?
Ontem peguei uma matéria no Fantástico pela metade e pensei: essa moça aí tem EM. Era a matéria falando do número de pessoas que no Brasil, precisam de mandato judicial para ter seu tratamento médico, e, pior ainda, os que já tem judicialmente o tratamento mas não o recebem.
Como disse, peguei a matéria pela metade e não tinha visto que a moça tinha EM. Mas pelo jeito que ela estava e por não conseguir nem assinar o documento do advogado, tamanha a fraqueza e o sofrimento de Débora.
Eu acho absurdo precisar dum mandato judicial pra conseguir um tratamento que já é direito da pessoa. Quando eu tomava interferon também foi por mandato judicial que consegui receber a medicação. O rolo que dá pra conseguir tratamento é tão grande, que a pessoa vai ficando cada vez mais doente. E a gente sabe muito bem que surto não tratado é sinônimo de reabilitação demorada.
Pior que isso, só o caso do menino que morreu porque não teve o tratamento que custava R$500,00 por mês. Vida é um bem irreparável. Não se brinca com isso.
Quem quiser conferir a matéria todinha (texto e vídeo), é só acessar o site do Fantástico: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1631481-15605,00-BRASIL+TEM+MAIS+DE+MIL+PROCESSOS+NA+JUSTICA+BUSCANDO+POR+PROCEDIMENTOS+MEDI.html
Até mais!
Bjs

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O que acontece quando vivemos

Oi amigos, blz?
Num dos dias que fui na Feira do Livro, 2 títulos me chamaram a atenção. Um deles era "Seu Madruga, Vila e Obra"...hahahahah. Tá, eu não compraria, mas chamou atenção né.
Mas falando sério, tinha outro livro, que o nome era: O que acontece quando morremos?
Pois olha, o que acontece quando morremos eu não posso dizer ao certo. Afinal, não lembro como foi da última vez que morri. Mas deixando as crenças de lado, penso que, mais importante do que saber o que acontece quando morremos, é saber o que acontece quando estamos vivos e não vivemos.
É... tem muita gente que passa por essa vida a passeio e quando se dá por conta, o tempo passou e ela não viveu. Claro, o conceito de viver feliz é diferente pra cada um de nós. Mas vir pra cá pra ficar se lamentando, não me parece a melhor forma de passar pela nossa existência.
E o que acontece quando vivemos?
Bom, aí eu posso dizer algumas coisas.
Quando a gente vive, mas vive de verdade cada momento de nossas vidas, a gente correr riscos. Mas correr riscos não é ruim não. É só ter bom senso e um pouco de consciência que você vai correr "riscos calculados". Aí, eu garanto, você vai rir muito, chorar um pouco, se divertir pacas, se emocionar, sentir o coração bater mais forte. Viver de verdade implica alguns tombos, alguns erros, mas muito aprendizado. E apesar das quedas, o que aprendemos com elas é fundamental para nossa caminhada mais à frente.
Mas, viver costuma ser muito bom. Muito mais alegrias que tristezas. Você acha que não? Às vezes o que falta é mudar o ponto de vista.
O tal livro é na verdade sobre pessoas que tiveram experiência de quase morte, seja lá o que isso signifique. Mas eu continuo me preocupando muito mais em viver e saber o que acontece quando vivemos do que o que acontece quando morremos. Afinal, um dia todos nós vamos, não é? E nesse dia o que importará é o que fizemos no tempo em que estivemos aqui, e não a forma como morremos ou encaramos a morte.
Talvez seja por pensar assim que eu preciso de pouco pra ser feliz.
Até mais!
Bjs

Em tempo: hoje é o aniversário de uma pessoa mega importante pra mim, minha amiga Raquel Simor, que tá lááááá no Passo Fundo, mas mora no meu coração. Raque, só quero que tu saiba que te amo muito. Zilhões de beijos pra ti! Vem buscar teu presente!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Minha chuvinha interior

Oi queridos, tudo bem?
Faz um lindo dia de sol lá fora. Um dia quente, lindo e ensolarado. Dentro de mim cai uma chuvinha fina num dia cinza. Como diria Saint-Exupéry, a gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixa cativar. O que não é de todo mal. Às vezes é assim que a gente acaba por conhecer a nós mesmos.
Eu vivo dizendo que a única coisa constante em nossas vidas é a mudança. E realmente é. E graças a Deus é. Já imaginou vivermos sempre na mesma coisa, sem a oportunidade de mudar nossas idéias, nossas experiências, nosso ponto de vista. Mas às vezes, mudar dói.
Tudo bem, a dor é passageira. O que fica dela, o que aprendemos e crescemos com ela é o que importa, não é mesmo?
E mudar, às vezes, é o que conserta tudo também.
Eu sei que parece conversa de doido tudo que escrevi hoje. Mas é como me sinto. E precisava dividir com vocês. Prometo estar "ensolarada" novamente em pouco tempo.
Três músicas para o dia de hoje. A primeira, porque combina com o momento, a segunda, porque combina muito com o momento e a terceira por ser um "mantra" pra me alegrar:
1. Quase sem querer - Legião Urbana
"Já não me preocupo se eu não sei porque / Às vezes, o que eu vejo, quase ninguém vê / E eu sei que você sabe, quase sem querer / Que eu vejo o mesmo que você..."

2. Os Segundos - Cidadão Quem
"...mas como o vento vem depressa, a verdade é bem mais forte... vou deixar, que o destino mostre a direção / Foi pouco tempo, mas valeu... vivi cada segundo... quero o tempo que passou..."

3. You are my sunshine
You are my sunshine / My only sunshine / You make me happy / When skies are grey / You never noticed /
How much I love you / So please don't take my sunshine away.

Até mais!
Bjs

Ah, pros não gaúchos, que não conhecem Cidadão Quem, curtam o clipe da música:

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Livros, livros, livros...

Oi amigos, blz? Curtindo um feriadinho?
Aproveitei o domingo de sol para ir à Feira do Livro de Porto Alegre. Vocês sabem, a minha Disneylandia... hehehehe
Cheguei lá com uma lista de livros "sérios", acadêmicos para comprar e voltei com uma coletânea de tirinhas do Garfield e alguns livros para dar de presente. Voltarei hoje lá ver os livros da listinha...hehehe
Como nesse feriado Porto Alegre ficou vazia, estava ótimo. Pouca gente nos corredores, dava pra circular tranquilamente. Escolhi esses últimos dias pra ir fazer comprar na Feira de propósito. Vocês, queridos companheiros com EM, sabem o quanto é difícil ficar num lugar atulhado de gente, quente e tentar caminhar sem cair ao mesmo tempo.
Como tinha pouca gente, tava bom também para o pessoal cadeirante circular. Mas vamos combinar, ninguém pensa em cadeirante na hora de arrumar um estande né? Os balaios de promoção são todos muito altos pra quem tá em cadeira. E as bancas de livros internacionais? Mal passa a minha bunda pela porta, imagina se vai passar uma cadeira. Achei muito mal organizado nesse sentido.
Fora isso, a gente vê todo tipo de bizarrice em lugares com muitas pessoas diferentes. Mas, deixando as pessoas de lado, preciso dizer da minha impressão sobre os livros.
Que eu amo livros, não é novidade. Que os livros me ajudaram muito nos momentos em que eu não conseguia sair de casa, não é novidade também. E minha paixão por livros só aumenta. Apesar disso, estou querendo um Ipad, pra ter mais livros, gastando menos papel. Isso é coisa pro futuro, mas eu ainda compro um bicho desses.
Entretanto, gosto do papel, de manusear as páginas, do cheirinho do livro. E confesso que fiquei feliz em ver nas bancas da Feira menos livros com receitas para uma vida feliz e mais livros sobre variedades, romances, quadrinhos, etc. Me irrito muito com aqueles livros que acham que ser feliz é que nem receita de bolo.
Dando uma geral nas bancas, vi que a maioria dos livros em destaque ou contam a vida de alguém (biografia), ou falam sobre cães ou gatos (as pessoas são loucas por bichinhos), ou falam sobre seres sobrenaturais (vampiros e anjos estão na moda). É, a vida dos outros e dos bichos podem ser mais interessantes que as nossas...
Vou lá pra Feira de novo. Amanhã conto mais sobre minhas aventuras em meio aos livros.
Bjs

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Sonhando como Ícaro

Oi gentes, blz?
Acordei inspirada hoje. Pensando sobre meus sonhos... e olha que não são poucos.
À tarde, conversando com uma colega, ela ficou impressionada com a certeza que eu tenho que tudo dará certo. Não vejo nada  demais nisso, mas, pelo visto, a maioria das pessoas acha absurdo você achar que sim, a vida é boa e que tudo vai dar certo, que se é pra acontecer, acontecerá, e que se for pra gente ser feliz, a gente vai ser.
Fiquei eu pensando nos tantos "nãos" que já recebi e nos muitos que receberei. Nos muitos: isso é impossível!
Impossível é o caramba, meus queridos.
Isso me fez lembrar duma historinha muito bonitinha da mitologia grega (sim, eu adoro mitologia), a história de Ícaro, que fez o impossível: voar.
Bom, a história é mais ou menos assim: Ícaro era filho de Dédalo, o tiozinho que tinha construído o labirinto pra prender o Minotauro. Ícaro, esse menino querido, ajudou Ariadne (filha do rei) a fugir com Teseu, e por conta disso, o rei Minos ordenou que Ícaro e Dédalo fossem presos no labirinto. Dédalo, que era muito esperto e criativo, e sabia que eles jamais sairiam dali procurando a saída, teve a idéia de construir asas. Pois ele construiu asas para ele e para o filho, feitas com penas de aves e cera, para que não descolassem. Quando tudo estava pronto, Dédalo e Ícaro bateram "suas asas" e saíram do labirinto.
Antes do vôo, Dédalo disse para Ícaro não voar nem muito alto, para não derreter as asas com o calor do sol, nem muito baixo, para não molhar as asas no mar.
O fim da história, é que Ícaro voou tão alto, mas tão alto, que suas asas derreteram e ele caiu no mar. O pai, um pouco mais prudente, conseguiu chegar a terra firme.
Moral da história, sonhar é bom, nos leva a lugares impossíveis, a ações inimagináveis e a felicidades imensas. Mas é lógico que precisamos fazer por onde e ter um pouquinho de prudência, não querendo tudo duma vez só.
Acho que eu sonho um pouco como Ícaro (se bem que, eu acho na verdade, que o dono da história tinha que ser o Dédalo), e acho que consigo voar também. Talvez, ter sonhos assim, meio mirabolantes, é que me faz acreditar que tudo vai dar certo.
Até mais!
Bjs

P.S.: sim, aquela música do Biafra, da década de 1980, conta a história de Ícaro... hehehe

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Videogame?

Oi queridos, tudo bem?
Há algum tempo pensei em comprar um Wii. Sabe, aquele videogame que simula yoga, tênis e outros jogos mais, e que pra jogar você precisa movimentar o corpo de verdade? Esse mesmo.
Não comprei porque não tenho grana sobrando pra isso. E porque não sou tão louca por videogame e tal.
Primeiro pensei em comprar porque quando eu jogava Atari, ia junto com o controle do videogame pro lado em que eu queria que os personagens fossem. Acho que todo mundo faz disso. E o outro motivo, é que pensei que podia ajudar a me movimentar mais, já que eu não estava tão bem quanto estou hoje em dia, que consigo caminhar bastante e tal.
Desisti da idéia do Wii. Pois não é que hoje, lendo o blog do Gang da EM, descobri que o Wii está sendo usado com finalidade terapêutica pra quem tem EM? Fora de brincadeira.
Como os jogos do Wii são sensíveis ao movimento do corpo, está sendo usado para que os esclerosados "re-ensinem" o cérebro a fazer movimentos básicos do dia a dia. Achei fantástica a idéia. Reabilitação com diversão!
Claro, não é só ir lá e comprar o joguinho. O pessoal que tá usando o Wii para reabilitação está sendo assistido por fisioterapeutas, até pra não se lesionarem, entrar em fadiga, etc. Mas que a idéia é boa... ah, isso é!
Talvez eu compre um joguinho desses uma hora qualquer.
Matéria completa com vídeo: http://gangem.blogspot.com/2010/10/jogos-da-wii-permitem-melhorar.html
Ah, e uma ótima notícia (pelo menos pra mim): fui buscar o resultado da minha ressonância e está escrito lá que está tudo normal, comparando com a ressonância do ano passado. Isso quer dizer que fiquei um ano inteirinho sem surto nenhum, nenhum, nenhum. Imaginem o tamanho da minha felicidade!!!!
Até mais!
Bjs

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Live and let die...

Oi gentes, blz?
Ainda estou com o corpo "anestesiado" por conta do exagero de ontem. Mas um exagero que valeu muito a pena. Afinal, não é todo dia que uma lenda da música vem até a minha cidade e eu vou ver. Siiiiiim, eu estava no show do Paul, Sir. Paul McCartney.
Tipo assim... sem explicação!  
Primeiro tenho que dizer que a área PNE do Beira Rio não era grande coisa. Não querendo fazer alusão ao time dono do estádio, mas fizeram um chiqueirinho atrás do bar, do lado dos banheiros e num local baixo pro pessoal malacabado ficar. Achei muita sacanagem. Será que eles acharam que os cadeirantes iam se levantar na hora do show? Ridículo. Mas acho que pensaram isso mesmo. Ah, e se tivesse alguma emergência, o povo da PNE ia ficar ferrado, porque não tinha saída especial pra nós não. Nesse ponto, a Opus deu de dez a zero no quesito organização de show.
Primeiro quiseram complicar com a minha entrada. A mocinha que estava na entrada da PNE era muito grossa. Mas muito grossa mesmo. Ainda bem que o superior dela era um rapaz compreensivo que me deixou entrar com mamãe e titio.
Bom, fora a área PNE ser um chiqueirinho mal colocado e a entrada ter sido tensa, o resto foi só alegria. Como o chiqueirinho era pequeno, baixo e longe do palco, pedi se eu podia ir pro gramado
Antes do show, as duas descansando no gramado.
e o povo da organização disse que sim, o gramado premium era livre pra gente, e caso eu precisasse voltar ali, sentar e tal, era só voltar. Ótimo!
Fomos pra frente do palco, deitamos no gramado e esperamos das 6h30min até as 21h09min, horário em que Paul McCartney subiu no palco com sua banda. Simplesmente fantástico! Me arrepio só de lembrar!
Fiquei as três horas do show de pé, pulando, gritando, cantando, chorando...enfim, foi massa! Claro que quando acabou, despenquei no show até meio que esvaziar o campo pra sair.
Enquanto esperávamos pra ir embora, um rapaz estava perguntando aos amigos: vocês se despediram? Se despediram de vocês antes de entraram aqui? Sim, porque eu estou saindo outra pessoa.
Dei risada né. Mas a verdade é que, ver um senhor de 68 anos cantar, tocar, pular, gritar e fazer música de qualidade durante três horas sem parar, sem mudar o tom de voz, sem perder o sorriso no rosto e ainda por cima gritar "Ah, eu sou gaúcho", é algo sem explicação.
Ver o Beira Rio lotado com todo mundo cantando Hey Jude é uma cena que jamais esquecerei. Faltou alguma coisa? Hmmmm... um abraço especial quando tocou My love, que foi dedicada aos namorados.
Estatísticas do show:
Momento chororô 1: Música Here Today, dedicada à John Lennon... comecei a chorar aí.
Momento chororô 2: Hey Jude... foi lindo
Momento chororô 3: Blackbird
Momento chororô 4: Yesterday
Não necessariamente nessa ordem. Mas pra quem se emociona com propaganda de Natal do Zaffari, tá bom a estatística de choros num show né?
Auge do show: Live and Let Die... fogos, muitos fogos...
Momento meigo: My Love
Momento arrepio e emoção: todos... do início ao fim do show.
Bom, poderia escrever até amanhã sobre o show e ainda assim, teria coisas que ficariam de fora.
Uma palavra que define o show: INESQUECÍVEL!
Olha como a gente ficou pertinho do palco.
Quem quiser dar uma olhada em alguns vídeos do show, acesse esse site: http://wp.clicrbs.com.br/conexaozh/2010/11/08/paulinpoa-e-no-youtube/?topo=13,1,1,,,13
E se tiverem a oportunidade de ir no show dele em SP, não percam.
Até mais!
Bjs

Os três muito felizes antes do show, num sol de rachar. Eu, mamãe e tio Caco. Valew pela companhia meus amores!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Teleton

Oi amigos, blz?
Chegou o momento de nos unirmos em prol de uma causa muito bonita que ajuda uma porção de gente que tem problemas de locomoção, o Teleton.

O Teleton é uma maratona televisiva para arrecadar uns pila para associações que cuidam de pessoas com problemas de locomoção. Surgiu nos EUA em 1954, e, desde 1998 é promovido no Brasil pela SBT e beneficia a AACD (Associação de Assistência à Criança com Deficiência). Com essa grana, o pessoal da AACD pode melhorar os atendimentos, aumentar hospitais, construir novas unidades, etc. 
Vale a pena dar uma ajudinha. 
Para mais informações, consultem o blog do Jairo: http://assimcomovoce.folha.blog.uol.com.br
Ou o site da teleton:
Até mais!
Bjs

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Vem chegando o verão, um calor no coração...

Oi gentes, blz?
Dia quente, verão chegando e as preocupações com a EM aumentam. Afinal, o calor é no corpo todo, não só no coração...
Se você é um novato na EM, eu explico: quanto mais quente, pior é prum esclerosado. Mas isso não é uma regra, afinal, eu prefiro o calor ao frio. Me sinto mais disposta e sinto muuuuuuito menos dor no verão do que no inverno.
Mas, como a maioria se sente pior no calor, tenho que falar sobre isso aqui. Já estava pensando em escrever sobre isso quando o Christian, leitor aqui do blog deixou o link dum estudo sobre o calor e a EM:  http://www.uai.com.br/htmls/app/noticia173/2010/08/31/noticia_tecnologia,i=177220/ATIVIDADE+DA+ESCLEROSE+MULTIPLA+VARIA+SEGUNDO+AS+ESTACOES+DO+ANO.shtml
Segundo esse estudo, nas estações de calor (primavera e verão), foi constatado que aparecem mais lesões na mielina desse povo esclerosado de meu deus. Qual a explicação para isso? Bom, eles ainda não sabem porque. Só se sabe que no verão, a atividade da EM é maior. Ponto.
Bom, apesar de eu me sentir melhor no verão, quase todas as minhas lesões apareceram no verão. Tinha uma época que eu tinha medo de ir pra praia e ter que voltar por conta da EM. Parecia a maldição da praia. Até que, num veraneio maravilhoso que tive com a minha família em Balneário Camboriú, senti que estava em surto. Mas, como sou teimosa, e, confesso, um pouco inconsequente, fiquei até o fim dos dias previstos (40 dias, tá bom né?). Voltei, fiz a ressonância, tinha uma lesão ativa, fiz a pulsoterapia e ficou tudo certo.
Nesses dias em que eu estive na praia, mesmo em surto, caminhava todos os dias, tomava minhas birita, e me diverti horrores. Perder carnaval na praia? Nem pensar.
Que isso não sirva de exemplo pra ninguém. Afinal, quando sentimos sintoma de surto devemos ir ao médico pra se tratar. Mas, sinceramente, umas transgressõezinhas de vez em quando acontecem. E, no meu caso, tive mais sorte que juízo.
Aí vai ter gente dizendo: Bruuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuna, não pode falar essas coisas no blog.
Bueno, o que eu não posso é mentir. Tenho que ser honesta comigo e com vocês. E como não sou nenhuma Madre Teresa de Qualcútá, eu falo até as besteiras que já fiz.
Faria isso de novo? Provavelmente não. Não digo com certeza porque não tenho certeza de nada nessa vida, só de que eu quero ser feliz. Mas não posso ser inconsequente, não pensar no futuro, na reabilitação e tudo que isso implica. Mas que foi bom, aaaaah se foi!
Indo ao que interessa, existem hoje vários meios para tornar os dias quentes mais agradáveis pro povo malacabado que passa mal no verão. Coloquei uma alternativa aqui no verão passado, clique aqui e dê uma olhada.
Eu vou continuar com o kit básico sombra + água fresca + filtro solar.
Até mais!
Bjs

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

I gotta feeling... uuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu...

Oi gentes, blz?
Vocês nem imaginam onde eu fui sábado à noite. E por isso mesmo é que eu conto pra vocês: Black Eyed Peas!
Siiiim! Fui no show deles aqui em Porto Alegre!!!!
E só posso dizer que foi um show fantástico!
Bueno, mas mais importante que falar do show, é falar da área em que eu fiquei no show, a área PNE (Portadores de Necessidades Especiais). Eu não gosto dessa denominação, mas como é a que eles usam, é a que vou usar aqui também.
Há uns dois meses, quando abriram a venda pros ingressos eu e a Raquel compramos o pra pista comum, afinal, é o que tínhamos grana para. Mas quando eu descobri que teria uma área PNE, lógico que me informei pra ir pra essa área mega V.I.Peas.
Essa é pra vocês verem quão pertinho do palco era a área PNE.
Fomos pro show sabendo que poderia dar problema na hora de entrar na PNE, mesmo tendo o cartão de portador de EM. Sabe né, quando o povo quer complicar, complica. Entretanto, todavia, contudo, chegamos, mostrei o cartão e nos deixaram entrar sem pedidos de maiores explicações.
Gurizada, sem mentira, estávamos no melhor lugar do mundo naquele momento. Acho que não dava 5 metros de distância do palco. Sério! Ficamos muito próximos de Fergie, Will.I.Am, Taboo, ...
Antes do show começar, a Raquel foi pedir uma cadeira pra eu sentar. Eles já estavam providenciando. Quando perguntamos onde poderíamos comprar um água, descobrimos que tínhamos água, refri, cerveja, pastelzinho e sanduichinho "di grátis". Quando percebemos que estávamos no único lugar em que as pessoas conseguiam se mexer (sim, estava lotado) e dançar, aí o estrago tava feito.
Certamente olharam praquelas duas malucas pulando, gritando e dançando e pensaram: tadinhas, estão na PNE porque tem alguma doença mental. Hahahahha
Bom, se extravasar alegria foi doença mental, pode me enquadrar.
Fiquei de pé no show, me apoiando na cadeirinha que conseguiram pra mim.
Não bastasse isso, os caras do BEP chegavam muito pertinho da gente. Vimos até que a Fergie tem um pinta na coxa. O Apl.de.ap chegou uma hora pertiiiinho, olhou pra Raquel e ficou apontando pra ela.... que massa! Mais massa que isso, só o beijo que o Taboo mandou pra mim. Ele foi cantar na passarela fora do palco, que passava na nossa frente, olhou pra gente, apontou o dedo e mandou um beijo... uhuuuuuuu
Ah, e sim, a Fergie é baita gostosa. Eu não pegava, até porque eu gosto de outra fruta, mas que ela é linda, isso é inegável. 
Só sei que, depois de 2 horas de show sem intervalo, eu estava pulando um metro do chão com I gotta feeling, no meio da chuva de papéis coloridos. 
Muita tecnologia, muitos efeitos especiais, muita música de qualidade e muita, mas muita diversão mesmo!
Taboo
Convenci vocês de usarem a nossa área VIP? Nada de ficar em casa meu povo. Temos esse direito e só não aproveitamos mais de bobos.  
Bom, só tenho que agradecer a Opus Promoções pelo tratamento que deram a nós que estávamos ali naquela área, que foi exemplar. Agradecer a Coca Cola por matar minha sede. Ao Georges Pastel por matar minha fome. À Raquel por ser minha parceiraça sempre. Ao BEP pelo show excepcional que ficará sempre na minha lembrança.


Fergie

Will.I.Am



As duas criaturas mais felizes da festa.... Obrigado Quel!!!
E agora, Paul McCartney que me espere...
Até mais!
Bjs
P.S.: as fotos são de celular, por isso não estão muito boas, mas é só pra dar uma idéia do que foi.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sorria meu bem, sorria!

Oi gentes, blz?
Estava aqui pensando sobre o que escrever, e lembrei de uma conversa que tive hoje de manhã. Depois de voltar do RPG, entrei na internet e um querido amigo me disse que hoje é o Dia Internacional do Bom Humor. Não sei se o oi que eu disse foi mau humorado, ou é porque ele tá sempre de bom humor. Mas fiquei pensando em desejar a todos um final de semana e feriado de muito bom humor.
Tá, eu sei, não sou a Miss Bom Humor. Mas um sorriso que se dá ou se recebe, uma gentileza, um cumprimento que se dá ao vizinho, pode fazer toda a diferença num dia.
Há alguns dias uma colega disse que não entende porque todo mundo é meio grosseiro com ela. Bom, tá na lata né. A loca não mostra os dentes nunca. Nem pra nenê pequeno. Nem pra filhote de cachorro. E quer que alguém sorria pra ela.
Já dizia o profeta Gentileza: Gentileza gera gentileza.
Bom humor é algo contagioso e contagiante. Bom humor faz bem pra alma, pro coração e, por consequencia, pro corpo também.
E pra não dizer que é balela de gente feliz como eu, médicos já comprovaram cientificamente que bom humor ajuda no processo de cura. Segundo estudos, "A risada faz aumentar a secreção de endorfina que relaxa as artérias, melhora a circulação e beneficia a reação imunológica. Além disso estimula a produção de adrenalina o que ocasiona mais irrigação nos tecidos que recebem mais oxigênio. O bom humor aumenta a capacidade de resisitir à dor". 
Então, se seu dia está uma m...., se tudo parece errado e você está com um mau humor do cão, tente dar um sorrisinho, nem que seja pela sua saúde. 
Correndo o risco de parecer livro de auto-ajuda: seja você um disseminador do bom humor! 
Até mais!
Bjs

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

São seus olhos...

E aí meu povo, tudo bem?
Tô chegando da oftalmologista. Lembram daquela montueira de exames que fiz no mês passado? Pois então, fui lá levar pra ela ver e dizer o que achou das fotinhos da minha córnea, da minha pressão ocular etc. e tal.
"Passei" nos exames. Tá tudo certinho, tudo no lugar certo e com a pressão correta. Só o meu campo de visão que ela disse que tem um pequeno problema, mas esse problema pode estar ali desde sempre e eu nunca ter percebido. Pode ser também por conta duma lesão na mielina que afeta a minha visão (aquela que faz meu olho "tremer" de vez em quando). Mas, como não tá incomodando, deixa quietinho né.
Agora, de 6 em 6 meses devo fazer um novo exame de campo de visão, pra ver se a coisa evolui ou é só o que está ali mesmo. Então, ao que tudo indica, consulta com oftalmologista, só no ano que vem de novo. O que é muito bom, porque essa maratona de médicos que fiz nos últimos meses já tá me cansando.
Sim, eu sei que preciso ir. Sim, eu sei que é necessário. Mas cansa. Mesmo assim, aconselho todo mundo aí a ir no oftalmologista com regularidade. Com saúde não se brinca. E eu ainda tenho muita coisa pra ver com esses olhinhos que Deus me deu. Ah, se tenho!
Agora só faltam uma consulta com a neuro e uma com a endocrino, no final de novembro. Depois, vou me dar férias de médico. Não sei quem se cansa mais, eu de ir lá ou eles de verem a minha cara...
Até mais!
Bjs

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Marcado na pele

Oi queridos, blz?
Ainda sobre a ressonância, respondendo a uma pergunta feita por email: e a tatuagem?
Bom, a tatuagem continua ali, firme, forte, colorida e linda.
Logo que se faz uma tatuagem, não se deve fazer ressonância porque é um ferimento pequeno, a pele está sensível. Mas depois de cicatrizado, não tem problema algum.
Muitas pessoas se apavoraram por causa de um episódio do House, onde um presidiário precisa fazer uma ressonância e as tatuagens do corpo dele parecem queimar. Isso só acontece no caso de a tatuagem ser feita com tinta contendo metais. É bom se certificar, antes de fazer a tatuagem, que a tinta não contém nenhum metal.
Qualquer tatuador sério não usa tinta com metal. Então, não é preciso se preocupar.
Algumas pessoas me falaram que poderia coçar a tatuagem, ou ficar dolorido enquanto fizesse a ressonância. Nadica de nada. Até esqueci dela ali nas minhas costas. Só fui lembrar dela quando recebi um email perguntando se não tinha ardido.
Então gurizada, podem se tatuar à vontade que não dá nada. Mas lembrem-se sempre, tatuagem é pra vida toda. É melhor ter certeza absoluta do que se quer quando fizer uma tatuagem.
Até mais!
Bjs

P.S.: Feliz!Feliz!Feliz!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Coincidência?!

Oi gentes, blz?
Nunca uma ressonância foi tão tranquila. Demorou a mesma coisa que sempre, mas não senti aquela vontade de apertar o botão do "desisto". Aliás, quase dormi. Isso é inédito.
Mas tem uma coisa que não é inédita e que nem eu acreditei quando aconteceu. Lembram da musiquinha que sempre, mas seeeempre mesmo toca quando faço exames lá em Passo Fundo? (Clica  aqui pra saber dessa história).
Pois então. Quando a enfermeira colocou o fone de ouvido pra eu não ouvir a britadeira que é a ressonância, vi que estava ligado na rádio Antena 1. Pouco antes de começar o barulho ensurdecedor, o radialista disse que era 11h25min. Respirei fundo pra brincar de estátua por meia hora ali deitada e começou a festa rave. 
Ouvia que estava tocando algo no rádio, mas não identificava a música. Até dar aquele pequeno intervalo entre um tipo de barulho e outro e eu ouvir exatamente o refrão: 
"Você precisa ser...Você precisa ser má, você precisa ser ousada, você precisa ser mais sábia. Você precisa ser dura, você precisa ser rude, você precisa ser mais forte. Você precisa ser legal, você precisa ser calma, você precisa permanecer sã. Tudo que sei, tudo que sei [é que] o amor vai salvar o dia." (tradução minha)
Tive que rir né. Parecia mentira. Ri um pouco, primeiro por ser muita coincidência. Mas como dizem que coincidência não existe, ri pensando que sim, tudo daria certo. Lógico que o amar salvaria o dia né? Hehehe
Até mais!
Bjs