sábado, 15 de dezembro de 2012

Sou mais homem que o Sant'Ana

Oi gentes, tudo bem?
Eu costumo ler a Zero Hora todos os dias. E eu leio mesmo. Até os obituários. Não por achar o melhor jornal do Brasil, mais por costume e pra saber dos acontecimentos gaúchos. Ou dos acontecimentos mundiais sob o ponto de vista "dos gaúchos".
E hoje eu li a coluna diária do Paulo Sant'Ana. Pra quem não é do RS, talvez seja difícil de entender quem é Paulo Sant'Ana. Gostando ou detestando, ele faz parte da memória de toda e qualquer pessoa que nasce e cresce no Rio Grande do Sul.
Bom, ele tem sofrido por conta de sua saúde, que, ao contrário do que ele diz, não é nada frágil, pois desde que eu me lembro, o Sant'Ana tem alguma doença e tá aí, firme, forte e indo no jogo do Grêmio. Quem tem uma saúde frágil não vive tanto tempo, produzindo, certo?
Faz horas que ele se lamenta nas páginas da Zero por conta dos exames, remédios e tudo mais (ele não tem doenças, ele sofre delas). Realmente é um negócio chato pra caramba essa coisa de ficar indo em médico toda hora, tomando vários comprimidos por dia, tendo que se cuidar e fazendo exames dos mais diferentes tipos regularmente. Mas hoje ele escreveu um negócio que me fez me sentir o "homem mais homem" da humanidade. Segundo o sr. Sant'Ana, passar pela experiência de fazer uma ressonância magnética de crânio sem sedação é uma prova de que ele é homem. Lendo isso e pensando que há 12 anos eu faço pelo menos uma (porque teve anos que eu fiz 2) por ano, eu mereço uma taça né? Eu e todos as criaturas com esclerose múltipla da terra (que não são poucas).
É ruim fazer, parece uma espécie de tortura, mas está longe, sr. Sant'Ana de ser as cercanias do inferno. Ou o inferno seria tão fácil assim?
Já contei que a minha primeira ressonância durou mais de 4h? Isso mesmo! Porque os caras não sabiam mexer na máquina recém chegada e eu fui cobaia dos bonito.
A cada nova ressonância conto aqui como foi e as minhas técnicas de sobrevivência.
Sinceramente, eu não acho que passar por esse exame (e tantos mil outros que eu faço durante o ano), tomar comprimidos todos os dias e não saber como será o dia de amanhã seja algo que me faça mais "homem" do que as outras pessoas. Mas quando eu penso que faço isso desde os 14 anos e acho natural enquanto um velho de 73 anos acha isso heroico é meio estranho. E quando eu penso que pretendo viver por muito tempo (pelo menos 100) e tenho a consciência de que será assim todos esses anos (com muitos exames, muitos comprimidos e outras drogas injetáveis, muitas idas ao médico e muito trabalho pra fazer). Bom... talvez eu seja mesmo mais homem que Paulo Sant'Ana e toda torcida do Grêmio.
Ah, e mais uma... se Paulo Sant'Ana fosse leitor aqui do blog, saberia exatamente o que esperar de uma ressonância. Ruim? Sim. Mas não é pra tanto exagero né :P
Até mais!
Bjs

P.S.1: desejo muita saúde à Paulo Sant'Ana e que ele consiga ver que é um privilégio passar 73 anos de vida sem precisar fazer uma ressonância. E nem vou falar sobre ele parar de fumar né...
P.S.2: a polícia do politicamente correto já me falou que não se deve usar a palavra velho... enquanto isso, alguns sociólogos defendem o uso da palavra velho como algo natural e não depreciativo. Eu gosto da palavra velho, não uso pra depreciar ninguém e acho menos ofensivo que "antigo" ou "de idade". Ou alguém reclama por chamarem o papai noel de bom velhinho?

8 comentários:

  1. Eu fiz uma ressonância de crânio. E, sinceramente, não vi nada de mais. Ou a minha foi uma RM Light e eu não sabia? Para mim, foi eu entrando num tubo enquanto uma rave entrava na minha cabeça.

    ResponderExcluir
  2. Pra tu ver o quanto a gente "é homem"...hahahahaha
    Foi bem isso que eu escrevi acho que na minha penúltima RM: uma rave dentro do tubo.
    Talvez, o que eu ache mais angustiante é ficar pensando no resultado...
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Nuss ri muito com esse post rsrsrs parabéns Bruna!!kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu ri lendo o texto do Sant'Ana né...hehehehe
      bjs

      Excluir
  4. É por essas e outras que nunca leio o Sant'anna e não acho que fazê-lo vá me deixar desinformado. Tenho vários jornais do RS para me deixar informado sobre aqui e não é ler a coluna desse egocêntrico que vai fazer diferença.
    Beijo, Bruninha!

    OBS: aliás, deixa eu aproveitar a enorme audiência da Bruna para fazer propaganda do meu blog: http://blogdaacessibilidade.blogspot.com.br/ . Para vocês terem uma ideia, o blog da Bruna já recebeu 262 mil visitas (vejam logo abaixo). O meu ainda não chegou nas 3.500. Ô que inveja!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso que eu disse "gostando ou detestando"... acho válido ler tudo Gustavo... dificilmente a gente perde por saber mais sobre algo ou por ver outros pontos de vista. Por isso que, aqui do RS, eu leio 4 jornais diários... todos com as mesmas notícias mas pontos de vista diferentes.
      Ah, e não sinta inveja não... inveja faz mal pra quem sente. Aliás, o meu ditado sobre isso sempre foi o seguinte: a inveja é uma merda!
      Hahahhaah
      Bjs

      Excluir
  5. Bruna ,adoro tudo que vc escreve aki.Me faz mto bem.
    Tenho MS ha 8 anos e ontem comecei uma nova terapia com Vitamina D 10.000ui.Comendo a todos ,me sinto outra.
    Experimente.Vc vai gostar.
    bjs.

    ResponderExcluir
  6. Fiz uma rm do encefalo de 40 min esse ano e olha, fiquei uns bons dias perturbada. Foi horrível, chorei, perdi o controle tremendo meus braços, por aí vai. Eu tenho razoável ansiedade, mas por fim acho que sou uma bicha louca D:

    ResponderExcluir

Ajude a construir esse blog, deixe aqui seu comentário, dúvida, críticas e elogios.