domingo, 8 de dezembro de 2013

Bruna no volante...


Oi queridos, tudo bem?
Faz dias que eu tenho uma novidade pra contar pra vocês, mas como a coisa em si só aconteceu ontem (e sob circunstâncias pelas quais eu não gostaria de ter passado), só conto hoje: voltei a dirigir!
Já fazia um tempinho que eu tinha vontade de voltar a dirigir. Eu fiz carteira com 19 anos e, mesmo não sendo uma exímia motorista, eu dirigia bastante logo no início. Mas aí, cada surto que eu tinha acabava deixando a direção de lado porque o olho ruim atrapalhava, a perna não me obedecia na troca dos pedais e, com medo de matar alguém na rua, resolvi parar de dirigir. E parei.
Depois que eu me mudei pra Porto Alegre eu já estava melhor e poderia ter voltado a dirigir. Mas aí faltava coragem. É preciso coragem pra pegar um carro num trânsito maluco.
Na verdade faltava coragem e confiança também. Eu sou bastante confiante, mas alguns fatos do passado me fizeram guardar a confiança para algumas coisas dentro duma gaveta escondida.
E o que me fez ter essa confiança de novo? O amor.
Primeiro o amor do meu namorado, que me trouxe confiança para voltar a ser quem eu sou, a fazer coisas que tinham me convencido que eu não podia. O amor dele e por ele me faz uma mulher mais confiante e corajosa.
Segundo o amor pela minha família, que tá passando por uma fase complicada e eu preciso ajudar a minha mãe de alguma forma. Já que eu não consigo ajudar com a faxina, que eu ajude levando e buscando as pessoas onde for necessário né.
Mas eu não podia simplesmente ligar o carro e sair dirigindo em plena Porto Alegre depois de 6 anos sem dirigir, certo?
Aí procurei uma auto-escola, marquei três aulinhas e fui. No primeiro dia achei que não ia saber nem pra que servia cada pedal. E quase arranquei o pescoço do instrutor a cada freiada. Na segunda fiquei com menos medo. Na terceira vi que sei arrancar em subida direitinho sem deixar o carro morrer. Mas ainda tava com medo de sair com um carro sem aquela enorme faixa escrito AUTO-ESCOLA. Aí marquei mais duas aulinhas.
Uma foi na semana passada, e me senti muito bem dirigindo. Lembro que, quando parei de dirigir, um dos motivos era porque quando eu saía do carro meu corpo tremia todo de tanta fadiga. Aí eu tinha que esperar de 15 a 20 minutos no carro pra conseguir sair. Fora o risco que era de eu não conseguir pisar o pé no freio na hora certa. Na última aula meu instrutor disse que eu já tô pronta pro trânsito. Mas como já tá paga, vou fazer mais uma aula na semana que vem.
Bom, mas vamos as circunstâncias que me fizeram dirigir um carro, sem ser o da auto-escola ontem, numa cidade que eu não conheço.
Como eu já contei pra vocês, encontrei o amor da minha vida e ele também veio avariado, assim como eu. Tem o diagnóstico de Esclerose Múltipla, assim como eu (pelo menos é o que temos por enquanto). E, uma pena, mas assim como eu não tá mais podendo dirigir. E a gente chegou a essa conclusão ontem, quando ele foi buscar eu e a minha sogra no salão de beleza (tinha casamento, eu tinha que ir bonita né). Tava quente demais e não deu pra ele voltar dirigindo. Aí eu peguei o carro e nos trouxe pra casa. A distância é curtinha, mas eu consegui.
Só que nem deu pra ficar muito feliz. Eu sei como é difícil, complicado, dolorido passar por isso. Sei como frustração machuca. Lembro como eu fiquei brava nessa mesma situação. E me doeu muito ver ele assim sem poder fazer nada.
O lado bom é que agora eu posso dirigir pra nós dois. E eu também gosto de pensar que é uma situação provisória. Demorou 6 anos pra eu voltar a dirigir. Uns 2 por conta da EM e o resto por falta de confiança mesmo. Quem sabe pra ele demore menos. Quem sabe a gente fica rico e compra um carro todo automático com comando no volante?
Essas doenças crônicas que nos acompanham costumam fazer isso, gerar tristeza quando nos tiram algo mas dar alegria quando reconquistamos essas capacidades ou quando descobrimos novas formas de fazer coisas velhas.
Bom, ainda não dirigi sozinha em Porto Alegre. Acho que semana que vem, quando eu voltar e depois da última aula vou me arriscar. Mas só dou carona pra quem não grita comigo no carro, tá mãe? hehehehehe. Vamos ver como eu me saio por lá.
Até mais!
Bjs

P.S.: lembram que eu disse que ia num casório? Então, foi tudo muito lindo. A noiva estava uma princesa! Felicidades aos noivos Francieli e Fernando!

27 comentários:

  1. Oi Bruna!
    Que legal!!! Parabéns!!!
    Se tu podes e gostas de dirigir, vai com tudo!!!
    Além de ajudar tua família, terás a deliciosa sensação de poder ir e vir sem depender de táxi, carona e nem busão (eca... eu dependo dele).
    Eu amo dirigir, mas não sei se poderia voltar a fazê-lo, pois tomo remédios que contra indicam dirigir e operar máquinas... afffff...
    Além disso tenho sequelas da EM que, sinceramente, não sei se me atrapalhariam ou não, mas ainda tenho esperança de voltar a dirigir... adoooooooro! Bem... falta o carro, né?!! kkkkk...
    Tenho certeza que logo logo o Jota volta a dirigir. Um abraço carinhoso prá ele!
    Beijinhos lindinha!

    PS.: Ebaaa... volta e meia vou te pedir carona...kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe Neyra que eu nunca fui uma grande fã do trânsito...mas eu gosto de dirigir.
      Pode pedir carona sempre que precisar ;)
      Bjsss

      Excluir
  2. Parabéns Bruna!
    Esta é uma vitória que só quem tem sabe o valor. É superação.
    Eu penso igual, já que não posso ajudar com os afazeres físicos, que eu ajude dirigindo, levando as pessoas pra lá e pra cá.
    Sempre falo, sentada ou deitada, sou um amor de pessoa (hehehe).
    Há uns cinco anos atrás, resolvi que meu carro tinha que ser automático e ter ar condicionado. Troquei um chevette de R$ 6.000,00 por um carro de R$ 26.000,00 na época. Eu ia levar mais de cinco anos pagando o empréstimo, aí Deus deve ter olhado prá mim e pensado: vou dar um
    emprego prá essa guria trabalhar um pouco e pagar o que deve. Na verdade foi presunção minha achar que eu podia ter um carro assim. Mas deu certo, trabalhei e consegui pagar em um ano.
    Neyra: tente, você também vau conseguir!
    Bruna: boa sorte no trânsito de Porto Alegre. Quando necessário eu dirijo aí e sei ir nuns cinco lugares somente e tô muito feliz com isso.
    Beijos, Beti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Beti!
      Sim... eu vou conseguir dirigir. Já comprar um carro... kkkk...
      Beijos querida.

      Excluir
    2. Obrigada Beti! Por acaso um dos lugares que você dirige em POA é perto do Clínicas? Se for, da próxima vez vem me visitar ;)
      Bjs

      Excluir
  3. Poxa, que legal...eu também gostaria de voltar a dirigir.
    Mas falta confiança, muita confiança...estou pensando em fazer algumas aulinhas, assim como você fez. Mas são planos para 2014!! rsrs.
    Agora só te digo uma coisa, não deixa a empolgação passar, aproveite e dirija M U I T O!!
    Bjus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz as aulas Mel...a confiança volta rapidinho!
      Bjs

      Excluir
  4. Nossa que bom Bruna! Em que pese o desconforto eventual e temporário do seu amado (é temporário mesmo!!!!!!!) fico muito feliz que vc tenha superado o medo de dirigir. Além do mais comprar um carro automático logo logo não será um bicho de 7 cabeças pra vocês, porque tbm existe a isenção de IPVA. Até porque acho que está na hora de vc escrever um livro sobre seu blog e suas experiências pessoais. Com certeza vai ser um best seller e render uma boa grana. Pense nisso. Te amo mocinha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Marlene! Estamos pensando mesmo nessa compra...
      Sobre o livro, quem sabe um dia eu pare e pense nisso. Até lá, só se alguma editora se interessar mesmo, porque eu não to com cabeça pra ir bater de porta em porta de editora por enquanto. Mas o dia que virar livro, quero você no lançamento, viu?
      Bjaaaum! Te amo!

      Excluir
  5. Parabéns por mais essa vitória Bruninha.

    ResponderExcluir
  6. Nossa Bruna, que legal! Fico feliz por vc!! Realmente o amor nos motiva muito, nos dá forças e segurança!!

    Que bom que vc tomou coragem e voltou a dirigir. EU também tirei carteira de motorista com 19 anos, dirigi um pouco e por falta de confiança e medo parei... nunca mais peguei em um volante e isso faz 8 anos! Beijo

    http://muitossonhosadois.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. LANÇANDO A CAMPANHA "VOLTANDO A DIRIGIR". Queridas meninas deste blog, por favor, percam o medo, façam algumas aulas de direção e voltem a usufruir as delícias e as alegrias de sair por ai em plena liberdade de locomoção sem precisar de ninguém. Vocês conseguem! Exemplo: nosso amiga Bruna "a corajosa apaixonada". rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Marlene! Vou fazer a campanha: cada uma que voltar a dirigir, manda sua foto no volante ;)
      heheheh
      Bjs

      Excluir
  8. Oi pessoal, descobri no ano passado que sou portadora da esclerose.
    É bom ter um espaço para compartilhar o medo que temos, dúvidas que somente nós temos.
    Beijos Raquel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conte com todos nós. Jamais se sinta sozinha e não desanime. O monstro só é feio quando o deixamos nos assustar. Bju

      Excluir
    2. Seja bem-vinda Raquel! Como você pode ver, temos uma grande rede de apoio mútuo aqui.
      Bjs

      Excluir
  9. Comigo foi assim também Bruna! Os problemas na visão levaram-me a achar que não conseguiria mais dirigir. Andava de táxi e gastava uma grana todo dia para ir e voltar do trabalho. No caminho, ia imaginando-me na direção, se conseguiria enxergar esse ou aquele obstáculo, etc. e comecei a perceber que se eu quisesse e tivesse confiança eu conseguiria voltar! Foi o que aconteceu. Faz algum tempo que voltei a dirigir, mais cauteloso, claro, mas com essa possibilidade novamente. Que bom que tu conseguiste! Ansioso pelas idéias da AME!
    Bjs,
    Tiago

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na nossa próxima reunião já vou ir dirigindo! hehehehe
      Eu até não acho tão ruim andar de bus, mas tem coisas que o carro é uma mão na roda.
      Tenho novidades pra ti e pra Giane...temos que marcar um coffe!
      Bjs

      Excluir
  10. Filha eu não grito.... minha voz que é alta... eheheheh. Mais do ninguém eu estarei sempre ao teu lado e fazendo todo possível para realizares teus desejos... bjs. Mamis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os gritinhos fazem parte do treinamento! kkkk

      Excluir
    2. Tá bom mãe...tua voz é alta mesmo... e o desespero faz ficar mais ainda né?
      heehehhehehehe
      Bjs

      Excluir
  11. Marlene Freire: adorei a tua idéia da campanha "voltando a dirigir". Para as meninas do blog: lembram quando ainda não dirigiam?
    Era tudo novo! Façam auto-escola e andem devagar. Verão que as dificuldades estão na mente, é ela que dificulta as coisas. Boa sorte a todas.
    Beijos, Beti

    ResponderExcluir
  12. Bruna,
    Parabéns por mais uma conquista! Suas ações são sempre SUPER. Temos que sempre Superar as nossas dificuldades, os nossos medos. Você faz isso muito bem! Eu não conheço Porto Alegre, como é o trânsito aí? De qualquer forma agora tem uma amiga minha aí neste trânsito mostrando para todos que tem EM que É POSSÍVEL VIVER NOSSOS SONHOS!
    Bjos.
    Rodrigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ro!
      O trânsito aqui é meio caótico, depende do horário. Mas nem se compara com o trânsito de São Paulo.
      Te prepara que qualquer hora eu pego um carro e vou dirigindo até teu sítio!
      Bjs

      Excluir
  13. oi bruna parabens pela conquista !!!
    A minha historia com o volante foi frustrante, parei de dirigir depois do diagnostico, mas 1 ano depois raspei dindin da poupança e mandei adaptar meu carro para comandos manuais ... foi 1 ano de alegria, ate minha carteira vencer e eu encarar o detran.
    O médico foi curto e grosso : vc tem uma doença degenerativa, a tendencia é q sua condição fisica só piore e não existe a menor possibilidade de dirigir novamente ...
    Depois de xingar muuuuuito (mentalmente é claro) o sujeito, abandonei o carro, mas não a esperança de um dia voltar a dirigir ...
    Bjo
    Vanessa

    ResponderExcluir

Ajude a construir esse blog, deixe aqui seu comentário, dúvida, críticas e elogios.