sábado, 17 de dezembro de 2011

Sonho... de quem?

Oi queridos, tudo bem?
Hoje eu tô um pouco triste. Ver quem a gente ama triste dói um pouco né? 
Logo que viemos pra Porto Alegre, foi uma dificuldade muito grande achar uma escola de dança pra Renata, minha irmã. Tudo por conta da deficiência intelectual que ela tem. Uma mulher de 27 anos com a cabeça de uma criança e comportamentos nem sempre entendidos por todos, como as perserverações e algumas manias. 
Quando encontramos a Cadica escola de danças e a prof. Cla, foi um alívio. Vocês lembram de eu ter contado a minha indignação aqui né? Quem não leu, tá aqui: http://esclerosemultiplaeeu.blogspot.com/2010/03/inclusao-social-uma-pinoia.html
Pois então, são poucas as coisas que a Renata realmente gosta de fazer, e uma delas é o ballet. Ela sonha o ano todinho com o dia em que vai se apresentar. Sonha o ano inteirinho com o palco. E a única oportunidade que ela tem de subir no palco e se sentir super star é na apresentação de final de ano da escola.
Toda escola de dança tem esse espetáculo de fim de ano, em que todas as turmas se apresentam para suas famílias e amigos. Desde sempre lembro de sentir o frio na barriga porque ela estava subindo ao palco e da minha mãe morrendo de medo dela errar alguma coisa. Ficava mais nervosa por ela do que por mim, na época que eu dançava. Mas todos sabemos que é uma apresentação de celebração do fim do ano, celebração de um ano de trabalho aprendendo passinho por passinho.
A apresentação da Cadica é nessa semana. E nessa semana, na hora da apresentação, acho que vamos ao MacDonalds com a Renata, porque é outra coisa que a deixa feliz. Mas ela sabe, ela tem plena consciência de que era pra ela estar no palco dançando. Bobo é quem pensa que ela é boba e não entende as coisas.  
E aí você pergunta: porque ela não vai dançar? 
Porque não havia lugar pra ela na coreografia. Porque a coreografia montada não dava condições pra ela entrar nem por um minutinho mostrar aquilo que ela treina todas as semanas, 4h por semana. 
Eu acho impossível que não houvesse uma forma de colocar ela na dança. 
Se ela fosse uma aluna indisciplinada, que faltasse as aulas, até teria uma explicação. Mas acredito que ela seja a única aluna que acorda toda terça e quinta e arruma a malha de ballet em cima da cama. Ela só não se arruma antes pra não ganhar um esporro da mãe. Senão, levanta de malha e coque. Acredito que ela seja a única aluna que só faltou nos dias que a irmã (no caso, eu) estava doente e a mãe não tinha como cuidar das duas ao mesmo tempo. 
A prof. Cla (pessoa que eu adoro, de verdade) conversou com a minha mãe e explicou pra mana que ela não dançaria porque ela não consegue acompanhar a turma na coreografia. Minha mãe disse que entende. 
E de fato, nós entendemos. Nós entendemos que a escola queira fazer uma coreografia super linda perfeita cheia de pontas de pernas pro ar. Mas não concordo com essa política de não poder fazer uma coreografia que dê 1 minutinho pra uma aluna dançar, do jeito que ela pode, que ela consegue.
Entender é uma coisa. Concordar é outra.
Tem muita coisa que eu entendo e não concordo. Eu entendo a falta de vontade das pessoas, mas não concordo com isso.
Eu não ia escrever nada sobre essa fato. Mas não pude ficar quieta depois de receber agora há tarde um email da escola de dança Cadica convidando para ver o espetáculo. No convite, o nome do espetáculo: Sonhos. E a frase escrita pela dona da escola: 


Durante a apresentação o público perceberá que é possível realizar seus objetivos, suas metas, seus sonhos, e que isto só depende da própria vontade, e das suas 
ações para que tudo se realize.


O sonho da Renata não vai se realizar esse ano, e não é por falta de trabalho dela, muito menos por falta de vontade dela, mas por falta de vontade das pessoas que acham que tudo bem deixar os outros de lado. Por isso, digo publicamente à Cadica que não, não é verdade que a realização dos sonhos dependem só das nossas vontades e ações para que se realizem, depende também da vontade e ação dos outros.
A vida é feita de escolhas, sempre digo isso. E cada escolha que fazemos traz consequências pra gente e para os outros. A escolha feita pela escola de danças Cadica e pela coreógrafa não foi muito feliz esse ano, afinal, deixou uma das pessoas que eu mais amo na vida infeliz. Eu entendo suas escolhas, mas não concordo.
Ainda, no convite da escola, a seguinte frase: Com cerca de duas horas de duração, no espetáculo alunos de todas as idades da Cadica Danças e Ritmos subirão ao palco para apresentar coreografias preparadas especialmente para a ocasião.
Se foram preparadas especialmente para a ocasião, quer dizer que pensaram as coreografias com as atuais alunas, correto? Porque não prestaram atenção nas capacidades de cada uma? 
Desejo um lindo espetáculo a todos os amigos que dançam na Cadica e que, tenho certeza, farão uma bela apresentação no palco. De coração. 
Aliás, temos grandes amigos lá dentro. Tenho certeza disso. 
É ruim quando amigos cometem esses deslizes, dói mais. 
Esse texto é, logicamente, uma crítica. Mas espero que a partir dela alguma coisa mude dentro das pessoas. Porque falar em inclusão é muito fácil, mas na hora da verdade, as pessoas mostram suas verdadeiras opções. O que não impede que elas mudem com o passar do tempo. Ainda bem que todos podemos mudar e aprender todos os dias. Ainda bem que preconceito é um mal que pode ser exterminado. E pra isso sim, basta ter um pouquinho de vontade. 
Mas nem tudo tá perdido no mundo, uma companhia de dança ma-ra-vi-lho-sa do Reino Unido, a Candoco, há 20 anos viaja o mundo com bailarinos com e sem deficiências (físicas, sensoriais e intelectuais) mostrando o que é arte. Curte os vídeos deles no link: http://www.candoco.co.uk/


Até mais!
Bjs


P.S.: é lógico que a Renata vai continuar fazendo ballet com a prof. Cla e que mamãe continuará indo na dança de salão (eu vou eventualmente...heheheh). Só acho que as pessoas, mesmo as mais queridas, precisam de puxões de orelha. 


P.S.2: pedido que a Renata fez ao Papai Noel esse ano: uma malha, uma sapatilha e uma meia nova pro ballet... é gente, ela realmente gosta disso. 

22 comentários:

  1. Reproduzo aqui também a mensagem que deixei no facebook...

    Nossa Bruna, li tua postagem e não posso acreditar que uma academia de danças faça isso. Eu como ex-professora de dança, coreógrafa e bailarina (que saudade!) fico muito triste ao saber de uma coisa dessas.

    A dança é comprovadamente uma das melhores atividades para inclusão e sociabilidade de pessoas sem e com deficiências, sejam quais forem... desde de deficiências físicas, intelectuais ou simplesmente ignorância.

    Sinceramente, também acho impossível entender como a dedicação de uma pessoa durante um ano inteiro pode ser desmerecida dessa forma. Não vejo justificativa. Não consigo imaginar como não poderia haver três minutos de participação em um espetáculo de duas horas. Não entendo como o espetáculo se chama "Sonhos" e rejeita o sonho tão simples e tão buscado de uma pessoa. A academia em questão demonstra muita ignorância nesta atitude e eu lamento muito.

    ResponderExcluir
  2. triste, quase chorei lendo (to meio sensivel nesse fim de ano). Já vi várias apresentações de fim de ano de escolas de dança, e de fato, a única explica~ção que parece é ma vontade de fazer algo específico pra ela, até mesmo pq todo mundo que vai assistir essas apresentações sabem que é pra alunos amadores, ninguem espera virtuosismo

    ResponderExcluir
  3. To do teu lado. Isso nao se faz, cortar o sonho de alguem nao é humano.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelo apoio meu povo...
    É quase inacreditável mesmo... e eu chorei escrevendo lucia...hehehe
    Ah, e comentário " nível", afinal a Aline, pra quem não conhece, é profissional. Não danças mais guria?
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. apoiadíssima! sabe que ontem mesmo eu comentei com a minha mãe sobre isso, antes de tu publicar no blog. achei um absurdo quando tu me contou. fez muito bem em escrever! beijos pra vocês ;)

    ResponderExcluir
  6. Bah inventei de ler essa história agora, às três da manhã, que raiva guria, nem gritar eu não possoagora.
    Mentira que não poderiam nem sequer mandar ela ao palco levando um enfeitezinho de Natal com uma pirueta, algo assim.
    Estou passando o link para alguns amigos que confio que ficarão sensibilizados e terão poder de corrigir algo, nem que seja apenas para os próximos anos.
    No mínimo ajuda na contabilidade para recolhimento correto de impostos creio que tal escola está fazendo por merecer.
    Sugestão Bruna, fala com o padre da tua paróquia, explica tudo e pergunta se farão algum presépio vivo, algo assim, se haveria como encaixar mais um anjinho na apresentação, ou na abertura ou fechamento dela.
    Normalmente presépio ao vivo é durante uma missa, as participações são rápidas, e creio que talvez haja possibilidade de encaixarem algo significativo para ela.
    Diga a ela por favor que tens o blog e que contaste que tens uma irmã que dança e que teus leitores estão mandandos beijos nessa semana para a bailarina.
    Beijos.
    Em ti e nela.
    E muitos na tua mãe, óbvio.

    ResponderExcluir
  7. Oi Bruna, acabei de ler tua coluna e quero dizer-te que estás coberta de razão. Também quero dizer-te que falhei, pois a responsabilidade com a aluna é minha e não da escola. Colocar Renata dando uma corridinha ou uma voltinha no palco não é meu objetivo. No ano passado ela participou da coreografia de abertura inteira fazendo os mesmos movimentos que as colegas. Foi algo preparado com tempo, coisa que não tive esse ano. Infelizmente Bruna, aprendi há duras penas que não sou perfeita e, assim sendo, cometo erros. E admito: o erro é meu. Espero que as pessoas que fizeram comentários, alguns bem agressivos inclusive, nunca tenham errado. Fica meu sincero pedido de desculpas à ti, Sônia e Renata. Clarissa

    ResponderExcluir
  8. Querida Clarissa, desculpas super aceitas. Como falei no texto, todos erramos e temos a chance de aprender com os mesmos. Quanto à questão de tempo, quem lê meu blog há tempo sabe que para mim, tempo é questão de preferência, ou seja, escolhas, e fizeste a tua, que, como disse, entendo, mas não aprovo.
    Quando fazemos escolhas, arcamos com as consequências, as vezes são sorrisos, as vezes críticas, e as vezes, agressividade.
    Eu externei minha tristeza, meus amigos solidarizando-se, externaram sua indignação.
    De qualquer forma, bom espetáculo! ;-)
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna, quando vim morar em Porto Alegre em 2007 cheguei a dançar por algum tempo em algumas academias e grupos daqui, mas logo o mestrado me consumiu todas as energias e tive que parar. Infelizmente tenho pouco conhecimento das escolas de dança aqui de Porto Alegre e não saberia recomendar nenhuma escola de dança daqui, ainda mais depois que li essa postagem sobre a Cadica e a postagem de um tempo atrás sobre o Ballet Redenção.

    Clarissa, óbvio que todos erramos. Eu sei da pressão que sofremos nas academias para que nossas turmas sejam perfeitas, em sincronia, com expressão e coreografias impecáveis. A questão é que quando ministramos aulas em academias estamos trabalhando com pessoas que fazem dança por amor, não podemos exigir que sejam profissionais naquilo que se dedicam como uma atividade de desenvolvimento pessoal.

    Eu também sei bem como é correr contra o tempo para fazer uma coreografia e sei que muitas vezes temos que fazer escolhas que não são as que mais nos agradam e que nos frustram. Eu sei que não foi uma decisão fácil, mas mesmo assim eu não vou concordar que simplesmente retirar uma pessoa pouco tempo antes da apresentação pela qual ela esperava muito participar foi um decisão bem pensada.

    ResponderExcluir
  10. Gente, lembrando à todos que isso é um blog muito bem educado.
    Por isso, 2 comentários foram deletados.
    Opiniões e desabafos sem ofensas, ok?
    Qualquer dúvida,mande-me um email: bruna.rochasilveira@gmail.com

    ResponderExcluir
  11. Obrigado pelo coment Aline. É bem isso que eu penso.
    Não vamos sair da Cadica. Gostamos muito de lá, e muito da prof. Clarissa. Foi um erro. E eu resolvi postar no blog não por represália ou qq coisa do tipo. Mas porque eu trabalho (literalmente, profissionalmente) para que esse tipo de coisa não aconteça com ninguém, para que exclusões por motivo de diferenças não aconteçam. E se acontece na minha própria casa, é meu dever falar.
    Milhões de famílias passam por isso todos os dias com seus filhos com deficiência. Passou da hora disso acabar. E isso só vai acabar quando as pessoas forem corrigidas ou se derem por conta de seus atos.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Mãe da Renata e da Bruna.... com mta. honra19 de dezembro de 2011 10:12

    Todas mães sabem que o sofrimento dos filhos é dor em dobro para nós. Infelizmente nem sempre conseguimos evitá~los, e a única coisa que podemos fazer é ficar ao seu lado até que tudo passe, ou qdo nunca vai passar, como é o caso dos patologias das minhas filhas, estar ao lado para continuar da melhor maneira possível. O desabafo da Bruna, com certeza, não foi para magoar nem ferir ninguém, pois sempre ensinei para minhas filhas, e tento viver a filosofia de "fazer aos outros o que gostaria que te fizessem" e jamais sofrimento esta em pauta. Sou mto grata a Academia Cadica e tenho enorme carinho e estima pela profe Cla. Mas, como todos erramos, e estamos nesta vida para aprender, é importante que nos apontem os erros e qdo. se torna público, estamos ajudando tantos a aprenderem conosco. Não sou só mãe de aluna, como tb faço parte da Academia, pois faço dança de salão enquanto espero a Renata. E adoro. Tenho amigos queridos que fiz lá.
    Algumas pessoas dizem que sou forte, mas não sou não. Acho que mãe de filhos "diferentes" é um pouco diferente, mas com todas fraquezas e sentimentos de todos. Uma vez aprendi que "qdo sentimos raiva é como se tomássemos veneno querendo que o inimigo morra" então acho eu não é piorando a saúde que vamos resolver alguma coisa. Temos que lutar, mas sem se machucar com sentimentos menores que só nos farão mal. Não estou procurando outra Academia, porque estamos bem lá, apesar desse episódio.
    A Renata está triste, nós mais ainda, mas passaremos por isso tb e logo ela estará com a malha, sapatilha e meias novas, dançando, que é o que ela mais gosta de fazer, sendo orientada pela profe que ela tanto ama e que isso sirva de mais um aprendizado. Que a cada dia estejamos abertos e receptivos para aprendermos a sermos melhor para nós e os outros. Bjs querida filha, te admiro mto por lutares por uma causa tão justa e tão incompreendida aida....

    ResponderExcluir
  13. Curti mamis!
    É não ou não é maravilhosa essa mulher que me aguenta todos os dias hein?hein? Hehehe
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Muito triste pela Renata!
    Mas tenho certeza que ano que vem, ela mostrará toda a capacidade dela e amor pelo Ballet.
    A escola mostrou uma contradição absurda! Mas acredito na evolução do ser humano, todos estamos aki aprendendo, eu msm, admito que tenho muitas limitações,preconceitos e que estou melhorando a cada dia e aprendendo com pessoas como vc Bruna, por isso, vamos lah, ano que vem qro a Renata dançando! Ateh lah...bjaooo
    Paula K.

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. No ano passado, na abertura do espetáculo “Meu Brasil”, a Renata participou junto à Cadica Cia de Danças, e com a direção na coreografia da professora Clarissa. Naquela época eu a via nos ensaios, e por isso que neste ano achei que ela participaria com a sua turma de Ballet. Somente no sábado passado, dia 17/12, quando fui conhecer a coreografia nova, que vi que ela não estava. Eu estou a mil, fazendo o meu melhor para que seja um Sonho de espetáculo. Estou tão motivada construindo a concepção geral, que realmente não tive tempo de falar antes com a professora Clarissa a respeito da Renata. Mas ainda há tempo, e irei ver isso com ela, com certeza! Quero resolver essa questão ainda hoje, se for possível. Quero que a Renata participe, sim, do espetáculo, pois existem algumas partes em que posso encaixá-la. Vou pedir para entrem em contato e resolvam. Peço desculpas em nome da escola e espero que ela queria se apresentar conosco, mesmo sendo este convite em cima da hora. Acredito nos sonhos, e desejo muito que eles se realizem. Se depender de mim, a Renata estará no palco ao nosso lado! Um abraço, Cadica

    ResponderExcluir
  17. Agradeço a atenção Cadica!
    Pena que isso só foi visto tão em cima da hora. Taí uma dica: ano que vem, conferir se todos os alunos estão contemplados na coreografia, pelo menos um mês antes, pra dar tempo de ensaiar.
    Temos muito carinho pela academia, e por isso, dói mais.
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Meu grande e maior sonho é ter uma instituição de dança que se chamará A DANÇA PARA TODOS!!! e ainda vou realizar, tenho certeza. Já tenho incluído todos em minha escola, dou bolsas, etc.. Fazem já, muitos anos que temos alunos especiais que se apresentam em várias oportunidades conosco.
    Amo ver as pessoas felizes com a dança e ver o quanto isto acrescenta e modifica positivamente as vidas de muitas que vejo e sinto.
    Cuidarei sim, cada vez melhor de minha escola, mesmo assim sei que todos fazemos o nosso melhor. A Profe Clarissa sempre teve muito carinho e responsabilidade com a Renata, e sempre tivemos uma amizade grande na escola. Tua mãe é uma pessoa que considero de casa. Eu tenho intimidade e carinho com elas e espero que continuemos com a ótima relação que sempre tivemos.
    Amanhã marcaremos um encontro. espero que ela participe!! Gostaria muito!! Será uma das fadas, junto com minha filha Nina, que não estará participando da coreografia da turma dela pois faltou muita aula. Ficará bem lindo , e a Renata vai amar, tenho certeza!!

    ResponderExcluir
  19. Parabéns por tua elegância, Bruna! Show de texto! E estou muito a fim de ler teu TCC. Abração Mari

    ResponderExcluir
  20. Mari...tá quase quase pronto pra todos lerem. Em março tu vai na minha defesa né?
    Bjsss

    ResponderExcluir
  21. Ah, e sobre a proposta dada da Renata se apresentar, quero deixar claro que ninguém quer ser encaixado de última hora, as pessoas gostam de fazer parte.
    E estar incluído, fazer parte é isso, é não ser esquecido ou deixado de lado em momento algum. Muito menos ser lembrado só depois de um desabafo público que fere a imagem da empresa.
    Ensaiar de um dia pra outro é coisa pra profissional, por isso, é óbvio que a mana não foi.
    Mas "resolvemos" parte do problema aqui em casa. Na noite de Natal, Renatinha vai dançar para a família ;-)
    Bjs

    ResponderExcluir

Ajude a construir esse blog, deixe aqui seu comentário, dúvida, críticas e elogios.