terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Gostar de pessoas

Oi queridos, tudo bem?
Há alguns dias recebi um email bem interessante, dum certo rapaz que está apaixonado por um certa moça que tem EM. No email ele me contou seus medos e ansiedades, por gostar duma menina que tem uma coisa que ele não faz muita idéia do que seja. E também me contando que as pessoas o aconselharam a não seguir adiante com isso, afinal, ela é doentinha né.
Achei interessante ele falar o que as pessoas dizem pra ele: pensa em ti cara!
Bom, quando eu respondi a ele, disse o mesmo: pensa em ti cara! Pensa em quão mal tu vai ficar se deixar esse amor de lado. Pensa no que tu pode estar perdendo ao dizer não pra esse desafio. Sim, porque todo relacionamento é um desafio, de certa forma.
Bom, tô contando desse email porque ele é um no meio de pelo menos 15 histórias como essa que me contaram nesses quase dois anos de blog. E claro, eu, como defensora do amor sempre, incentivo as pessoas a tentarem né. (ah, e não quero nem saber, tem uns 3 casamentos que estão por vir e eu quero ser madrinha...hehehe).
Às vezes fico pensando, e se eu começasse a ficar com um cara massa, bonito, inteligente, divertido (assim, como eu...hehehe) e ele me falasse que tem uma doença que eu não conheço e que, pra piorar tem o nome Esclerose Múltipla. Deve ser meio assustador.
Como vocês sabem, estou no mercado dos solteiros, e por conta disso, de vez em quando (mas muito de vez em quando mesmo) vivo a experiência de ver a reação dos meninos ao escutar a palavra Esclerose Múltipla. Porque ao contrário da maioria dos esclerosados, eu fiz um juramento de que sempre que eu me relacionar com alguém (e quando eu falo relacionar é qualquer relacionamento: profissional, amizade, tico-tico no fubá, tal e coisa, coisa e tal...) eu conto que tenho EM na primeira oportunidade que tiver.
Lógico que não vou estar tipo na balada e falar: oi, tudo bem, tu é tri gatinho... ah, e eu tenho Esclerose Múltipla... hahahahha
A cena seria hilária, mas não, eu não faço isso.
Hoje em dia a coisa ficou mais fácil, porque tem aquela história do: me dá teu msn? Aí, se o criatura me adiciona, logo vê o link do blog e descobre tudo antes de me ver pela segunda vez. E é lógico que é normal a pessoa sumir do mapa depois de ler o blog. Não sei se é por causa da EM ou por conta da minha personalidade. Vai saber...
Bom, esse dias tive uma experiência dessas do tipo contar que tenho EM. O negócio é contar com bom humor e explicando de cara que esclerose não é maluquice. Mas vocês sabem que o rapaz me disse que mais assustador que a palavra esclerose é a palavra múltipla? Porque tipo, não basta ser um negócio assustador, tem que ser múltiplo...
É, definitivamente o nome dessa doença não nos ajuda muito. Mas acho melhor ter Esclerose Múltipla do que ter, sei lá, síndrome de mentirosa, desvio de caráter, infidelidade crônica... essas coisas que estragam com a vida de qualquer um e que não são facilmente diagnosticadas.
Todo esse blablabla e revelações de hoje é pra responder um amigo (que vou chamar aqui de X) que mandou um email perguntando: "Bruna, to namorando uma menina com EM e ela só me contou que tem a doença 2 meses depois de começarmos a namorar. O que eu faço?"
Bom amigo, sinceramente, bem sinceramente, não sei. Eu não sei como eu reagiria se fosse comigo. Acho que ficaria mais chateada por não ter sido informada antes sobre a situação do que pela EM em si. Mas cada um reage duma maneira diferente, e eu não condeno quem acha que não vai conseguir conviver com alguém que tenha EM. Pra mim isso não é motivo pra você não conhecer melhor uma pessoa, e acredito que o mundo seria melhor se as pessoas gostassem simplesmente de pessoas, e não da condição física delas, do quanto elas ganham, onde elas moram, etc.
Eu gosto de pessoas. Simplesmente pessoas. E acho que isso facilita muito a minha vida e a vida daqueles que estão a minha volta. Então, amigo X, experimente apenas gostar da pessoa que está com você. Se ela for uma ótima companhia, duvido que a EM faça alguma diferença.
Até mais!
Bjs

P.S.: você que é namorado ou namorada, marido ou esposa de alguém que tem EM, por favor, deixe-nos seu depoimento, afinal, eu não posso escrever sobre "o outro lado", mas vocês podem. Bjs

37 comentários:

  1. Acho que você está certa e também ajo assim, conto da EM na primeira opirtunidade. Tudo bem, não sou solteira, mas se fosse, também seria assim, acredito na sinceridade acima de tudo. E tem que incentivar o amor mesmo, é claro que também devemos incentivar o conhecimento sobre a doença, quando se conhece o "inimigo" fica mais fácil lidar com ele e o bixo parece ser sempre mais feio do que realmente é.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá Bruna!
    Tenho ataxia, os sintomas são muito parecidos com os sintomas da EM, (como você escreveu faz tempo no seu blog)as pessoas acham que é "preguiça".
    Meu casamento de 17 anos foi "para o vinagre". Percebi que as pessoas ficaram com pouca paciência e outras "coisitas mais", tudo muito ruim para qualquer pessoa.
    Entendo que cada um dá o que pode. Para algumas pessoas se casar com alguém "normal" (é ótimo),aos poucos a pessoa "normal" se torna dependente(é péssimo).
    Sei que chegar nesta situação não é exclusividade minha. Aprendi que mesmo com limitações, devemos acreditar no "nosso taco" e na medida do possível não devemos depender de ninguém, podemos fazer quase tudo como qualquer pessoa(só demora um pouquinho mais).
    Pode parecer que estou me achando a "última bolacha do pacote", mas não me troco por ninguém "normal".
    Beijos
    Paula

    ResponderExcluir
  3. Não tenho EM mas sou deficiente físico. Já vi quase tudo na vida. Permitam um pitaco. Paula, se o casamento explodiu o cara não te amava. E a lucidez de Dona Bruna...
    Bjs.
    Fernando

    ResponderExcluir
  4. Oi Bruninha!
    Muito bom este teu post!
    Também não escondo a minha EM de ninguém. Falo logo e se possível já vou explicando o que é.

    Quanto a relacionamentos amorosos: estou fora.
    Vivo bem assim. Pode até ser covardia, mas com certeza é mais trânquilo. E quem ia querer uma mulher obesa, dura, corôa e de quebra com EM?!?! kkkkkkkkk...

    Meu primeiro surto começou pouco tempo depois do falecimento do amor da minha vida, o Guto, em 21/06/1995. Ele seria um companheirão para todos os momentos. Nos amavamos verdadeiramente e ele era um homem muito especial, raro. Acho que por isso Deus precisou dele mais cedo.

    Mas dou a maior força para as pessoas namorarem os portadores de EM. A doênça nos ensina muito e nos torna pessoas melhores.

    Beijinhos
    da Neyra.

    ResponderExcluir
  5. É, concordo com o Fernando... Paula, se o cara largou fora, é porque não te merecia...
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá..
    quando fiquei sabendo que tinha EM contei pro meu namorado super receosa da resposta que ele tinha pra me dar daquilo tudo..
    e pra minha surpresa e felicidade ele disse que não mudaria nada.. pois a doença é muito imprevisível de certa forma.. assim como é a vida de qualquer pessoa que não tenha EM..
    e no fundo é bem isso.. quantos não casam e namoram pessoas super saudáveis, sem problema ou doença nenhuma e perde seu companheiro por uma tragédia. assaltos e acidentes por exemplo acontecem todo dia e não escolhem a quem vai atingir né..
    "escolher" alguém que não tenha nenhum defeitinho não é garantia de nada.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Concordo com esse Anônimo aqui em cima!
    Quando meu marido foi diagnosticado, já estávamos juntos há mais de seis anos.
    Na hora, a insegurança bate dos dois lados. "E aí? Como vai ser a nossa vida daqui pra frente?"
    O medo maior era saber se essa doença atrapalharia a nossa, até então, vidinha normal e pacata, as nossas viagens, as nossas festas e, principalmente, o nosso relacionamento.
    Agora, um ano e meio depois do diagnóstico, pouca coisa mudou...
    Nós dois mudamos um pouco o modo de vermos as coisas, mas isso foi bom e nos fez um bem danado! Valores, necessidades e prioridades mudaram um pouco.
    A doença assusta todos os envolvidos.
    Mas como representante dos que estão do "outro lado", ou seja, dos que não têm EM, mas convivem de perto com alguém que tem, posso dizer que o pior é não saber como ajudar no momento do surto, com suas consequências ou com as dores do dia-a-dia... Mas amor e paciência sempre ajudam a superar tudo.
    Por isso, se você conheceu alguém com EM, fique assustado, sim, é normal... Mas passado o baque inicial, não fuja! Busque informação, aprenda o que puder sobre a doença! A convivência com o inesperado faz parte de qualquer relacionamento, e o aprendizado que decorre disso é pra vida toda!
    Aff... falei demais, né?
    beijinho
    T.

    ResponderExcluir
  8. Ah, e continuamos com nossa vidinha normal e pacata, nossas viagens e nossas festas!
    T.

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna, gostaria de ter falicidade para contar as pessoas, mas não consigo pela cara de dó que elas fazem ao saber...é muito difícil. Poucas pessoas que me conhecem sabem...Estou num dilema, tenho dentista e nem lá consegui contar, sei que preciso, mas fico imaginando a cara de dó das pessoas e desisto de contar.
    Foi ótimo seu post. obrigada.

    Mariana.

    ResponderExcluir
  10. Estou adorando as histórias de todos, obrigado!
    Ah, e Mariana, sabe que a única cara que eu nunca vi ao dizer da EM é a cara de pena. Quem sabe vai tentando aos poucos. Tu pode te surpreender. Ah, e pro teu dentista, médica, fisio, etc., tu tem obrigação de contar. Uma obrigação com a tua saúde. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Mariana, não esquenta com possíveis olhares. Logo que virei torto, andava em shopping com minha mãe e ela, ao ver os olhares sempre dizia: "que foi, que estás olhando?" Hoje é comum cadeira de rodas na rua. Manda bala, conta, fala, brinca com isso. Certamente vai ficar mais fácil para ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando,não sei vc,mas na boa,qdo o bicho pega mesmo,no surto a mulher ou namorada vai embora.Já ouvi coisas tipo,não "dou conta de namorar cadeirante"

      Excluir
    2. Bom Marcos, pelo que tu disseste, fica claro que tiveste uma experiência ruim de pé na bunda... mas, vou te dizer uma coisa, conheço muito mais histórias de companheirismo e amor do que de abandono. A verdade é que quando as pessoas caem fora é porque iriam cair fora de qq jeito, mais cedo ou mais tarde porque o motivo delas não é a doença ou deficiência, mas sim a falta de amor. E a gente não pode obrigar ninguém a nos amar né...
      Eu vejo como uma coisa boa, afinal, se a pessoa acha que não dá conta, melhor ir ser feliz em outro lugar e deixar você ser feliz também, com alguém que te ame de verdade.
      Na boa, quando o bicho pega a gente conhece quem está com a gente... e isso pode ser maravilhoso!
      Bjs

      Excluir
  12. Oi Bruna e Fernando, obrigada pela força, vou seguir o conselho de vocês, segunda-feira tenho hora marcada terei que contar....Como disse a Bruna posso me surpreender...tomara!!

    Bjos.
    Obrigada. Mariana

    ResponderExcluir
  13. oi Bruna,sou Patrícia de Portugal estou lendo seu blog algum tempo e é impressionante como á alguém do outro lado do atlântico com uma vida tão parecida a minha....tenho EM desde 99 e algumas limitações físicas,mas continuo caminhando graças a Deus!Ao ler o teu blog hoje descobri que tenho esse negócio do Bruxismo..rsrsrs pensei que fosse sei lá um tique,agora já sei quando for ao dentista vou falar nisto..Em relação ao tópico posso disser que o meu actual companheiro soube que eu tinha EM 2 ou 3meses depois de estarmos a namorar,e continua comigo até hoje e pensando em termos um filho,o que vale é o amor!!!Bruna adoro o teu blog estou o lendo todinho!!Se me quiseres adicionar o meu msn é patriciabirre@hotmail.com
    Beijocas querida fica bem :))

    ResponderExcluir
  14. Isso Mariana. Estarei torcendo por ti daqui.

    ResponderExcluir
  15. Olá Bruna, acho muito bacana você abrir a sua vida para todos e contar sobre EM...Mas ainda estou mais do lado da Mariana, também não consigo falar da doença com ninguém próximo a mim...amigos, colegas de trabalho e outros. Também não suporto a cara de dó e piedade das pessoas. Isto não ajuda em nada!!! Somente terapeutas, médicos, dentistas...para todos da saúde eu conto...acho que é meu dever. Uma história muito engraçada, que um dia fui a um dermatologista muito novinho, que quando contei que tinha o diagnóstico em EM ele disse que um ano atrás um medico disse que ele também tinha EM, mas ele não acreditou e como nunca teve nada, nunca voltou a este medico. A consulta mudou toda, só ele me contava da vida dele. Confesso, que ajudou pouco, por isto fui a outro Dermatologista.
    Abs,
    Cristina - MG

    ResponderExcluir
  16. Pois é Cristina, cada um tem o seu tempo pra contar pros outros. Às vezes, o que a gente precisa é aceitar dentro da gente mesmo a EM. Depois disso, fica mais fácil. Pensa bem, pelo menos a EM é algo "escondível"...heheh
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Olá Bruna,

    Já comentei aqui no seu blog anteriormente, e também, quando posso, passo por aqui.
    Sou noiva de um portador de EM, e em julho, estaremos casando. Desde o início do noso relacionamento, quando ainda éramos amigos, ele me contou que tinha EM e também me explicou como era. É verdade, no início rola uma certa insegurança, mas não deixei isso me dominar. Somos um casal feliz, 2 anos de relacionamento e casando em breve.
    Ele tem os limites por conta da EM, respeito e trabalhamos isso juntos.
    Alguns amigos muito próximos sabem que ele tem EM, mas te confesso que não contei para minha família e outros amigos, não por vergonha dele, mas simplesmente, porque não quero ficar ouvindo isso asneiras das pessoas preconceituosas. Daí, depois de casarmos, com o tempo, contamos.
    Abraço :)

    ResponderExcluir
  18. Oi, Bruna! Acabei de descobrir q tenho EM, estou hospitalizada por surto e neste momento q falo contigo recebo a imunoglobulina para a controlar o surto. Ainda estou meio perdida, sem saber o q vai acontecer cmg; vejo casos q as pessoas vivem bem e tem um caso no quarto ao lado do meu q me apavorou ontém. Chorei muito, bateu desespero, pq foi a hora q tive a verdadeira noção do q essa doença pode fazer. Se puder me mandar um e-mail contando sua experiência com os sintomas resumidamente, eu agradeceria muito. Então, sobre o tema: começei a ter sintomas em dezembro de 2010, passei o ano novo no hospital para a pulsoterapia. há 4 meses quando fui acometida pela doença, e bastou eu falar sobre a possibilidade, o ignorante desapareceu, nunca + ligou nem para saber se eu estava viva. Sei q foi o primeiro preconceito q recebi dentre vários q devem estar por vir, mas quer saber: não quero um homem ignorante ao meu lado, e se q.q coisa q acontecer o boneco vai fugir com medinho, já foi tarde! Ele é quem não me merece...Bjs e adorei seu blog

    ResponderExcluir
  19. Oi Bruna, como já falei aqui no blog, meu namorado tem EM, e em nenhum momento isso é um problema pra gente! Acho que (como vc falou) pior que EM é: mentira, traição, mau carater...etc.
    Todos temos problemas e limitações, mas quando temos amor, tudo fica mais fácil de enfrentar!!!
    *** Eu AMO meu namorado do jeito que ele é, sem por nem tirar nadinha!!!!

    Bjs a todos os apaixonados!!!

    ResponderExcluir
  20. Pois é , Bruna e todos outros , tenho tanto prá falar mas como temos todo o tempo do mundo, gostaria de começar pelo fato que a EM começou por mudar minha leitura do corpo e foi espandindo para a leitura do mundo.Expandiu meus horizontes para entender, mais que entendia, mais do que nunca que a gente tem que fazer nossa parte no mundo , escutar o que a vida nos traz e fazer nossa parte , pelo mundo , pelo outro, por nós. Não podemos ter medo de amar, de conviver com o inevitável , de potencializar a vida nos seus detalhes e que esses vão sendo descobertos quanto mais sensíveis vamos ficando para a vida. Digo que o que venho buscando vem me amadurecendo para ficar mais sensível, mais afetado pelo que vem do mundo, mas não no sentido de me entristecer mas de compartilhar , de me aproximar e provocar bons encontros. Me despeço, Bruna e todos, lhes agradecendo pelos bons encontros que vêm provocando ,Bjs,
    Paulo Francisco.

    ResponderExcluir
  21. "É, definitivamente o nome dessa doença não nos ajuda muito. Mas acho melhor ter Esclerose Múltipla do que ter, sei lá, síndrome de mentirosa, desvio de caráter, infidelidade crônica... essas coisas que estragam com a vida de qualquer um e que não são facilmente diagnosticadas." by Bruna

    "e pra minha surpresa e felicidade ele disse que não mudaria nada.. pois a doença é muito imprevisível de certa forma.. assim como é a vida de qualquer pessoa que não tenha EM.." by Anónimo

    "Todos temos problemas e limitações, mas quando temos amor, tudo fica mais fácil de enfrentar!!!
    *** Eu AMO meu namorado do jeito que ele é, sem por nem tirar nadinha!!!!" by Carola Nogueira

    Não me parece ser necessário dizer mais nada. Mas como já comentei com a Bruna eu sou um desses novos apaixonados. A donzela amada fez questão de contar... pena não tenha sido pessoalmente. Fiquei com raiva por não me ter contado pessoalmente. Primeiro porque deixou-me impotente sem perceber o que significava para ela contar a situação dela e depois porque não lhe pude dar um abraço ou um olhar terno de quem não tem nenhum preconceito com isso.

    A única coisa que me faz espécie aqui é que nenhum de vocês teve a hipótese de escolher que mal ter e ter outras pessoas que por descuido e inconsciencia contraem outras doenças que deixam grandes marcas quando também não são controladas.
    Tenho esse enorme apreço por todos vós. Nada de pena nem de coitadinho... mas de uma revolta por pessoas tão fantasticas terem um fado duro. Mas só os heróis são capazes de ultrpassar tais montanhas.

    ABRAÇOS,
    JJ

    ResponderExcluir
  22. Que liiiindo...um homem apaixonado! Parabéns JJ, fazia tempo que não via disso...hehehe
    Bjs

    ResponderExcluir
  23. Olá Bruna! Parabenizo pelo seu blog, descobri ele hoje,mas já posso afirmar que realmente é uma fonte de conforto e desabafo para nós portadores de EM.

    Eu tenho EM há 7 anos mas descobri há 1 ano ao passar mto mal durante 25 dias. Graças a Deus só fiquei com uma leve disfagia. Mas o que mais tem me aborrecido é justamente o preconceito, que vem basicamente do medo do desconhecido das pessoas. Sempre fui muito galateada pelos rapazes, mas hoje em dia isso já me dá medo pois sei o que terei que passar qdo eu contar da EM. Imediatamente ao contar da doença, aqueles caras que demonstravam amor pra toda vida desaparecem sem nenhum constrangimento. Um deles me perguntou quantos dias de vida eu ainda tinha! Eu to ficando traumatizada,qro evitar qq relacionamento amoroso pq já pressinto o novo abandono que terei que passar.

    Semana passada fui na secretaria de saúde pegar remédio, o rapaz que tava na minha frente acabou puxando papo e acabamos conversando, foi quando ele disse que tinha EM tb e contou-me das crises que ele passou e o que fez na época, ele era muito simpático e bem bonito, mas era casado e tem um filhinho. Mas nesse dia eu comecei a pensar que eu deveria procurar alguém que tem EM também, pois só outro portador poderá entender e trocar experiência e se ajudar mutuamente. Eu queria saber se existe algum lugar onde os portadores se reúnem em Belo Horizonte para conversar e trocar experiência. Sinceramente eu nunca pensei que depois de tantos anos eu fosse levar tantos foras velados.

    Novamente parabenizo pela linda iniciativa de seu blog e desejo que Deus te abençôe grandemente. Abraço, Vânia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vânia, obrigada!
      Sabe que eu nunca senti isso sobre relacionamentos amorosos? Talvez seja porque eu nunca tive nenhum affaire antes da EM né?
      Tive o diagnóstico com 14 anos, então, toda a vida amorosa que eu conheço é com a EM junto.
      Mas é algo é ser considerado...
      Bjs

      Excluir
  24. Fico feliz em encontrar esse post e esse blog e gostaria de contar minha história. Criei um perfil em um site que abriga milhares de usuários de todas as partes do mundo. Certa noite, me deparei com a foto de um lindo rapaz. Pelas fotos dos álbuns vi que ele tinha em comum comigo, o amor pelos cães (fora que ele tem um sorriso lindo capaz de derreter qualquer geleira da Antártida rsrsrs)
    Ao ler o perfil dele, me deparei com a seguinte informação "I was diagnosed with Mutiple Sclerosis" (não mencionei antes mas ele é americano). Pensei: "tudo bem, ele é lindo, tem uma doença que não tem cura e provavelmente se agravará com o tempo, mas tudo bem, isso não pode se tornar um motivo para não conhecê-lo, isso é, se ele resolver e se interessar em visitar o meu perfil".
    Instantes após concluir esses pensamentos, eis que recebo uma mensagem dele e a partir desse dia passamos a conversar todos os dias (via Whatsapp e Skype).
    Após alguns dias conversando no Whatsapp, (acho que uns 15 dias desde que nos conhecemos) ele me envia uma mensagem que dizia mais ou menos assim "tenho algo para te contar, mas tenho medo da sua reação. Mas sei que se não for sincero com você, me sentirei como se estivesse enganando você".A minha primeira reação oi pensar: "Meu Deus, esse homem é comprometido!". E ele me escreve "não posso mais andar. Estou na cadeira de rodas". A sinceridade absoluta dele naquele momento me fez admirá-lo ainda mais.
    Hoje sei de tudo o que se passa na vida dele. Sobre os efeitos colaterias dos remédios, das crises de ansiedade, dos quadros de depressão, do cansaço, das vezes em que ele não consegue ter controle sobre a bexiga,sobe as dificuldades de ter ereção etc. Desde então, passei a visitar sites, ler fóruns, procurar ajuda, conhecer pessoas com a mesma doença, para que eu possa aprender como lidar com isso e conhecer o dia a dia dos portadores de EM (apesar de saber que a doença se manifesta de formas diferentes de pessoa pra pessoa).
    Muita gente tenta me desestimular e eu sempre respondo: "se fosse alguém com quem eu já tivesse um relacionamento e que descobrisse ter a doença. O que eu iria fazer? Abandonaria a pessoa? A vida é imprevisível... Hoje você pode estar saudável e amanhã ser vítima de um acidente qualquer que te deixe sequelas para o resto da vida...E eu penso: todo mundo tem o direito de ser amado. Ninguém escolhe ter EM. E eu devo abrir a mão de estar com uma pessoa maravilhosa por conta da doença? Eu não acho que as coisas sejam fáceis, mas com certeza elas são possíveis de serem administradas.
    Enfim, sempre encontro conforto e encorajamento em posts como esse. Eu realmente gostaria que desse certo...

    Beijos, Livia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Livia por contar pra gente a tua história! Linda!!!
      Precisamos de mais gente como você nas nossas vidas!
      Bjs

      Excluir
  25. Olá
    A minha história é mt semelhante à tua Livia, mas no meu caso eu sou a portadora da EM ja la vao 4anos.
    Conheci um rapaz (meu namorado) já a um ano e antes de começarmos a namorar tbm lhe contei da doença e o que poderia implicar na vida dele tbm..as "chatices" que ele poderia ter..e felizmente a resposta dele foi mt surpreendente (ainda para mais o meu ultimo relacionamento acabou pq ele nao gostava do facto de eu ser doente), ele disse-me que me ama e quem ama morre, se for preciso, pela pessoa amada..Não vai ser uma doença por mt complicada que seja que vai fazer com que ele me abandone..
    Fiquei muito feliz com a reação dele :-)
    Nos temos uma vida perfeitamente normal ha que salientar que eu nao estou no estado tao avançado assim mas posso vir a ficar..
    Felicidades

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Livia e amiga anônima, uma sugestão de leitura mais atual:
      http://www.esclerosemultiplaeeu.blogspot.com.br/2014/07/all-you-need-is-love.html
      leiam o post e os comentários e me ajudem a ajudar o Mauricio, um rapaz que comentou lá.
      Bjs

      Excluir
  26. Oi Bruna! Gostei muito do seu texto. Meu namorado tem EM. E é horrível ver o sofrimento dele sem poder fazer nada. Mas acredito tb q ele não quer q eu sacrifique a minha vida, deixe de fazer as coisas que eu gosto, o q tem que fazer é nos adaptarmos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida, tudo bem? Então...hoje em dia sei bem como é isso. Meu marido tem EM também e tive que aprender a lidar com a EM dele. Mas a gente sempre tem que se adaptar ao outro, não é mesmo? Tendo ou não EM.
      Bjs

      Excluir
    2. Sim! É verdade! Estamos pensando em nos casar e aí Já viu, a pressão da família vem em cima! Obrigada pelas orientações! Beijo!

      Excluir
  27. Olá Bruna e demais leitores,

    compartilhei minha história nesse blog em 05/07/2014. Hoje, mais de um ano após revelar para vocês sobre meu relacionamento com uma pessoa diagnosticada com esclerose múltipla venho, com muita alegria, contar que mês passado, nosso relacionamento foi do virtual para o real :) Viajei para os Estados Unidos para conhecê-lo pessoalmente. Foi tudo perfeito. Marcamos um novo encontro para o ano que vem :)

    Beijos e espero que todos vocês estejam com o coração transbordando de amor também :)

    Livia

    ResponderExcluir
  28. Sou mulher e me apaixonei por uma portadora de E.M mas amoo ela é quero viver pra sempre ao lado dela.

    ResponderExcluir
  29. Boa noite!O principal conselho que posso dar as vocês portadores de Esclerose Multipla ou em ( um termo digamos mais suave) é que vocês são portadores de uma doença auto-imune ( o corpo lutando contra o corpo).Não sabemos o curso da doença ,quando se terá um novo ataque ect...Mas o importante é viver 1 dia de cada vez , construir no presente o futuro que se quer ter( sem mudar a pespectiva que você tinha antes), diminuir o nível de stress ( alimentação, exercícios, recomendo yoga , e evitar situações que estressam... fazendo cada vez mais que o corpo lute menos contra o próprio corpo.Quanto a relacionamento tem que ser explicado pra pessoa , porque se o amor for de verdade mesmo supera.Enfim no fundo no fundo a doença está como lição para que cada um aprenda a cuidar melhor de si.

    ResponderExcluir
  30. Olá sou portadora de EM, há 5 anos, so tive um namorado na minha vida, começamos a namorar antes de eu ser diagnosticada com a doença, mais tarde eu tive surtos ai descobriram a doença em mim fiquei internada e decidi ficar sozinha terminei o namoro, e ele insistiu para ficar cmg ate chorou disse q ficaria cmg ate se eu ficasse paralítica, disse q independentemente de tudo ficaria cmg q eu era a mulher da vida dele, blablabla,e resolvi aceita-lo de volta o tempo passou 7 anos se passaram, e esse namorado se revelou um falso, mentiroso chegou e terminou cmg por mensagem imagina? Tratar com crueldade uma pessoa q ele jurou q nao abandonaria e que ainda é portadora de uma doença horrível, quem sou eu agora? Portadora de esclerose múltipla, traumatizada por relacionamento, cheguei a conclusão que prefiro ficar solteira nao namorar ninguem do q viver uma vida a 2 e ser maltratada por pessoas estupidas que não entende um portador e nao tem nenhum pingo de amor pelo próximo. Entao acredito q esclerose múltipla e namoro não funciona pra ficar com alguem q tenha esclerose multipla vc deve estar ciente do q quer e nao ser um moleque por que eh algo sério

    ResponderExcluir

Ajude a construir esse blog, deixe aqui seu comentário, dúvida, críticas e elogios.